China buscará crescimento de qualidade e aumento de importações – Exame

As autoridades chinesas avançarão na reforma estrutural das empresas de propriedade estatal

Por EFE

access_time 20 dez 2017, 09h42

Pequim – A China se centrará em “promover um desenvolvimento de qualidade” através de novos fatores de crescimento e fomentará as importações para equilibrar seu comércio exterior até 2020, segundo anunciou o Governo nesta quarta-feira após o encerramento da Conferência Econômica que começou na segunda-feira em Pequim.

Segundo o comunicado divulgado no encerramento da reunião, os dirigentes decidiram que “a China deve construir e implementar mecanismos para promover um desenvolvimento futuro de alta qualidade”.

Para isso, as autoridades avançarão na reforma estrutural das empresas de propriedade estatal e farão novos esforços para “melhorar a qualidade econômica, promover a inovação, cortar o excesso de capacidade e fomentar novos fatores de crescimento”.

Além disso, o gigante asiático fomentará as importações para equilibrar o comércio exterior, cortando inclusive os impostos a alguns produtos.

Estas intenções foram comunicadas no encerramento da reunião que o presidente chinês, Xi Jinping, manteve desde segunda-feira com sua equipe assessora em um hotel da capital para revisar o comportamento econômico do país em 2017 e decidir os objetivos que quer atingir no próximo ano e as medidas necessárias para isso.

No setor imobiliário, alvo de preocupação no país pelos elevados preços da moradia, foi anunciado que o Governo trabalhará para que o sistema “assegure a oferta através de distintas vias e canais” e fomentará tanto a compra como os aluguéis.

“O país desenvolverá seu mercado de aluguel, especialmente os contratos a longo prazo, protegerá o direito legal das partes envolvidas e apoiará a constituição de empresas de aluguel profissional e institucional”, apontou.

Por outro lado, as autoridades tratarão de controlar os riscos do setor financeiro e tomarão medidas contra as más práticas, tentando criar um “ciclo virtuoso” por um lado entre as finanças e a economia real e, por outro, entre as finanças e o setor imobiliário.

Na reunião ficou decidido também que a política monetária dirigida pelo Banco Popular da China (banco central) continuará sendo “prudente e neutra” e que o Governo continuará com sua política fiscal “pró-ativa”.

Além disso, a China dará prioridade à prevenção e ao controle da contaminação e à luta contra a pobreza.

Segundo recolheu a agência oficial “Xinhua”, a Conferência Econômica deste ano, especialmente importante por ser a primeira que realizada depois do XIX Congresso do Partido Comunista de outubro, serviu para que tome forma “o pensamento de Xi Jinping sobre o Socialismo Econômico com Caraterísticas Chinesas para uma Nova Era”.

Tudo aponta que na Conferência terá estabelecido o objetivo de crescimento do PIB da China para 2018, embora esse número não seja revelado até março, quando o primeiro-ministro, Li Keqiang, a deve anunciar plenário da Assembleia Nacional Popular.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!