Deságio médio do leilão A-6 fica em 38,7%, com economia da ordem de R$ 68,4 bilhões – Jornal do Comércio

O leilão de energia nova A-6, realizado na manhã desta quarta-feira, propiciou uma economia de R$ 68,46 bilhões para os consumidores de energia, se considerar que o preço médio de contratação foi de R$ 189,45 por megawatt-hora (MWh), o que corresponde a um deságio de 38,7% em relação aos preços-tetos estabelecidos para o certame, conforme dados compilados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

O leilão movimentou R$ 108,46 bilhões em contratos, equivalentes a um montante de 572,5 milhões de MWh de energia. Foram contratados 63 empreendimentos de geração, sendo 49 parques eólicos, 6 Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), seis térmicas movidas a biomassa e duas térmicas movidas a gás natural.

Ao todo, os projetos que foram contratados totalizam 2,93 mil MW médios de garantia física e as usinas deverão iniciar o fornecimento de energia elétrica a partir de 1º de janeiro de 2023.

O preço médio final do leilão para as usinas hidráulicas foi de R$ 219,2/MWh. No caso da usina térmica movida a biomassa, o preço médio foi de R$ 216,62/MWh. Para os parques eólicos, o preço médio chegou a R$ 98,62/MWh, e para as térmicas a gás, o preço médio fechou em R$ 213,46/MWh.

Os contratos são de 30 anos para as PCHs, 25 anos para termelétrica a biomassa e a gás natural, e 20 anos para eólicas.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!