Dólar recua ante rivais, monitorando possível impacto de reforma tributária – Jornal do Comércio

O dólar operou em baixa em relação a outras divisas fortes nesta quarta-feira (20), com os investidores acreditando que a moeda americana não será tão beneficiada com os cortes nos impostos nos Estados Unidos quanto outros ativos.

No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar subia para 113,41 ienes e o euro avançava para US$ 1,1881. No fim da tarde, o índice do dólar (DXY), que mede a moeda contra uma cesta de seis outras divisas, caía para 93,36 pontos.

Mesmo com a aprovação do projeto final de reforma tributária na Câmara dos Representantes e no Senado, o dólar apresentou um movimento baixista em relação a outras divisas. De acordo com analistas do Goldman Sachs, “o pacote de impostos foi um fator chave por trás da consolidação do dólar desde agosto, mas, agora que o projeto já está, em grande parte, precificado, o suporte adicional ao dólar deve ser limitado”.

Um potencial impulso para a moeda americana poderia vir da repatriação. De acordo com o plano, as empresas dos EUA pagarão um imposto único de até 15,5% sobre os lucros que elas têm no exterior, o que poderia impulsionar a demanda por dólar. No entanto, muitas companhias não enfrentarão os impostos sobre a renda estrangeira, uma mudança que coloca os EUA em linha com outros grandes países desenvolvidos. Para o estrategista de câmbio da BMO Capital Markets, Greg Anderson, parte da fraqueza do dólar vem com a perspectiva de que “não há nada no projeto que estimule a repatriação”. Além disso, ele lembra que os fluxos do fim de ano foram positivos para o euro.

No entanto, a moeda americana ganhou a briga contra o iene, às vésperas da última reunião de política monetária do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), que ocorre nesta quinta-feira. Para os estrategistas de câmbio do Commerzbank, o BoJ deixará a política inalterada, mesmo com especulações no mercado de que o banco central pudesse elevar a meta para o rendimento dos títulos de 10 anos. Nesse sentido, o iene perdeu força e deu apoio à alta do dólar.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!