Dólar tem leve alta com preocupações com lado fiscal brasileiro – Jornal do Comércio

O dólar encerrou o pregão desta quarta-feira (20), com leve alta, na contramão do movimento da moeda no cenário internacional. Parte da explicação é que hoje era o último dia para as empresas fazerem remessas de lucros e dividendos para o exterior antes do recesso de fim de ano – já que a liquidação ocorre em dois dias úteis. É por isso, inclusive, que o giro da sessão foi relativamente alto, de US$ 2,421 bilhões. “Se alguém deixou para depois, vai pagar mais caro”, afirma Alessandro Faganello, operador da Advanced Corretora.

O dólar à vista fechou com alta de 0,12%, a R$ 3,2962. Na máxima, atingiu R$ 3,3001 (+0,24%) e, na mínima, R$ 3,2821 (-0,31%).

A valorização do dólar também se deveu a preocupações com o lado fiscal brasileiro, especialmente depois que o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, disse, por volta das 17h, que o governo não tem “plano B” para substituir as medidas que não foram aprovadas pelo Congresso Nacional ou foram suspensas pelo Supremo Tribunal Federal. “O que temos (no radar) é a possibilidade de redução de despesas, como determina a Lei de Responsabilidade Fiscal”, afirmou, reconhecendo que haverá corte de despesas no início de 2018. “Isso mostra que a conta não está fechando, o que preocupa o mercado”, diz Faganello.

A preocupação é tão grande que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, antecipou para o fim desta tarde a reunião, por teleconferência, com representantes das três principais agências de rating para discutir a nota de crédito brasileira. Na pauta, está o adiamento da reforma da Previdência e os impactos disso para as contas públicas.

A expectativa, segundo José Carlos Amado, operador de câmbio da Spinelli, é que, nos próximos dias, haja uma redução na volatilidade do mercado, com o dólar oscilando em uma banda mais comportada. O motivo é a redução de eventos no radar dos investidores e a queda no volume de negócios com a proximidade das festas de fim de ano.

Em tempo: mais cedo, o Banco Central vendeu integralmente o último lote de contratos de swap cambial tradicional. A operação, no valor de US$ 540 milhões, foi realizada para rolagem de contratos que vencem em 2 de janeiro.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!