Governo começa 2018 com corte de investimento – Exame

As receitas extras trazidas pela melhora da economia não devem ser suficientes para preencher o buraco deixado pelas propostas não votadas pelo Congresso

access_time 20 dez 2017, 08h16

Brasília – Sem conseguir aprovar as medidas necessárias para fechar as contas de 2018, o governo começará o ano que vem com corte nas despesas, admitiu o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira.

As receitas extras trazidas pela melhora da economia não devem ser suficientes para preencher o buraco deixado pelas propostas que não foram votadas pelo Congresso ou que foram suspensas pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O bloqueio no Orçamento virá depois de um ano de sufoco para os órgãos públicos, que passaram 2017 sem dinheiro e sob o risco de paralisar atividades.

Como o espaço para cortes em 2018 será ainda menor, a consequência mais imediata deve ser o congelamento dos investimentos. O Tesouro já havia advertido que seria preciso cortar R$ 21,4 bilhões das despesas não obrigatórias (que incluem os investimentos) em 2018 caso as medidas de ajuste não fossem aprovadas. Com isso, o valor cairia para R$ 87 bilhões – limite mínimo para manter a gestão da máquina pública.

Os planos da equipe econômica para o ano que vem sofreram um revés nos últimos dias, porque receitas que eram dadas como certas não vão se concretizar. O governo deixará de arrecadar R$ 6 bilhões em 2018 porque o Congresso não aprovou a mudança na tributação de fundos exclusivos de investimentos.

Além disso, uma decisão do STF mantém o reajuste salarial dos servidores em 2018 e a mesma alíquota de 11% da Previdência do funcionalismo (o governo queria aumentá-la para 14%). Juntas, as duas medidas teriam um impacto de R$ 6,6 bilhões. Há ainda o projeto que acaba com a desoneração da folha de pagamento para alguns setores, cujo projeto de lei anda a passos lentos na Câmara.

“A capacidade de recompor medidas para o Orçamento de 2018 é pequena”, diz o ministro do Planejamento. “O ajuste será feito com redução de despesa.” Ele descartou aumento de impostos. Para uma fonte da equipe econômica, a “ficha ainda não caiu” nem para o Congresso, nem para o Judiciário em relação às restrições orçamentárias. Há irritação com a decisão do ministro Ricardo Lewandowski de conceder a liminar no último momento antes do recesso do Judiciário, sem dar tempo hábil para reagir.

Sem espaço para cortar despesas, o governo não terá outra solução a não ser que “passar” a faca nos investimentos. A equipe econômica, no entanto, não desistiu de reverter a decisão do STF. Para Oliveira, o que vale é a decisão final do plenário do STF sobre os reajustes, mesmo que o aumento seja dado antes com base na liminar. O ministro explicou que se o Supremo decidir a favor do governo em fevereiro, quando retoma as atividades, não haveria problema em reduzir os salários dos servidores para “devolver” o reajuste em 2019″. Já o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que o governo vai avaliar medidas compensatórias, mas não adiantou quais estão em análise. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!