Reino Unido deve crescer 1,6% em 2017, diz FMI – Exame

“Os acontecimentos com a negociação do Brexit são uma incerteza crucial”, diz o FMI em relatório

access_time 20 dez 2017, 10h08

São Paulo – O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou nesta quarta-feira relatório sobre a economia do Reino Unido, no qual prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do país cresça 1,6% neste ano e “cerca de 1,5%” em 2018. Ao mesmo tempo, o Fundo adverte que há uma série de riscos para essa projeção. “Os acontecimentos com a negociação do Brexit são uma incerteza crucial”, diz o FMI, referindo-se ao processo de saída do país da União Europeia.

Em seu relatório que avalia a economia do Reino Unido, o FMI diz que, apesar da forte recuperação no crescimento global e de políticas macroeconômicas que apoiam o quadro, o impacto da decisão de deixar a UE tem pesado sobre a demanda doméstica privada. A forte desvalorização da libra após o plebiscito gerou mais inflação ao consumidor, o que pressiona a renda real e o consumo. O enfraquecimento da demanda doméstica, porém, foi em parte compensado por uma alta nas exportações de bens, diante da moeda mais fraca e do crescimento forte em parceiros comerciais. A inflação deve desacelerar, mas seguirá acima da meta, diz a instituição, o que deve pressionar mais o salário real e o consumo.

O FMI informa que suas projeções dependem de um progresso continuado das negociações do Brexit, que culmine em entendimentos sobre um acordo de livre comércio abrangente e em um processo de transição. Mas ressalta que há uma série de riscos para esse cenário, notadamente as negociações com a UE.

Caso não ocorram avanços no diálogo e a saída do país do bloco seja “desordenada”, isso levaria a uma forte queda nos preços dos ativos. O FMI ainda alerta que o potencial impacto desses riscos é amplificado pela necessidade do país de financiar seu grande déficit em conta corrente, o que o torna vulnerável a mudanças nas expectativas do investidor.

O Brexit tem o potencial para remodelar a economia do Reino Unido, diz o FMI. O impacto dependerá, claro, do acordo final, que pode ainda levar anos para ser concluído, lembra o Fundo. O setor financeiro, que representa 7% do PIB, pode ser “particularmente afetado” sem um acordo específico para ele.

Os avanços recentes nas negociações entre Londres e Bruxelas são uma notícia bem-vinda, avalia o FMI, mas a lista de tarefas pela frente é longa. O Fundo diz que um acordo antecipado sobre o período de transição pode evitar uma saída desordenada em 2019 e reduzir incertezas para pessoas físicas e jurídicas.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!