Temer assina protocolo de adesão do RS ao regime de recuperação fiscal – Jornal do Comércio

Depois de uma longa negociação e na reta final do ano, o presidente Michel Temer assinou nesta quarta-feira (20) protocolo de adesão do Estado do Rio Grande do Sul ao regime de recuperação fiscal – programa de socorro financeiro do governo federal aos Estados com grande dificuldade financeira. A assinatura não estava prevista na agenda de Temer e do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e pegou de surpresa a área técnica do Tesouro Nacional, segundo apurou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.

O protocolo de adesão é o primeiro passo para o Estado entrar em recuperação fiscal e ter o pagamento da dívida suspenso por três anos, além de garantia do Tesouro para novos empréstimos. Em contrapartida, o Estado tem que adotar medidas de ajuste fiscal. O Rio Grande do Sul é o segundo Estado a ser aceito no programa, depois do Rio de Janeiro.

O governador do Rio Grande do Sul, Ivo Sartori (PMDB), afirmou que o protocolo é mais um passo importante, mas destacou que a Assembleia Legislativa do Estado terá que aprovar o plano.

“Sabemos que a caminhada é longa, estamos quase há três anos perseguindo a arrumação da casa, fazendo todo o controle de tudo”, afirmou. Ele agradeceu ao presidente Temer pelo apoio e “visão federativa que teve ao longo do processo”.

“Não é só o Rio Grande do Sul que quer sair da crise, mas também todos Estados com dificuldades e nosso País. Nós queremos que haja mudanças e transformações muito profundas na estrutura do Estado”, disse.

O governador ressaltou que o País só sai da crise se os Estados tiverem oportunidade de “fazer seu próprio caminho”. Com discurso político, Sartori disse que o seu desejo é entregar o Rio Grande do Sul em melhor condições financeiras do que recebeu.

“Procurei ao longo do tempo fazer tudo sem alarde, com calma, com jeito, humildade e sabendo das dificuldades que tínhamos que enfrentar”, disse ele, acrescentando que não houve “nenhum momento de demagogia ou populismo”.

Segundo ele, a Advocacia Geral da União abriu uma Câmara de Conciliação e Arbitragem para definir as questões do protocolo. Sartori disse que se trata de um pré-acordo. “Nós já superamos a fase de cálculo (das contas) porque hoje foi decretada a admissibilidade do regime de recuperação fiscal”, disse

Segundo ele, o projeto será votado pela Assembleia Legislativa e o governo do Estado vai continuar dialogando “ponto por ponto” com o governo federal.

Sobre privatizações de estatais para o programa, Sartori disse que o Estado fez o dever de casa ao extinguir nove fundações. Ele acrescentou que a renegociação da dívida com a União vai permitir uma redução do estoque de R$ 22 bilhões da dívida em 2028. (Colaborou Carla Araújo)

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!