Temer presidirá Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul – Exame

Encontro reunirá os presidentes de Argentina, Bolívia, Guiana, Paraguai e Uruguai

Por Carla Araújo e Felipe Frazão, do Estadão Conteúdo

access_time 20 dez 2017, 21h22

Brasília – O porta-voz do presidente Michel Temer, Alexandre Parola, destacou nesta quarta-feira, 20, a participação do presidente na 51ª Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados e lembrou que o evento que será realizado nesta quinta-feira, 21, em Brasília, marca o término da Presidência brasileira no bloco, iniciada em julho.

“Nesse período, o Brasil, com os parceiros do bloco, aprofundou o resgate da vocação original do Mercosul: vocação para o livre comércio, a democracia e os direitos humanos”, disse Parola.

O porta-voz destacou que o encontro reunirá os presidentes de Argentina, Bolívia, Guiana, Paraguai e Uruguai, além de representantes de Chile, Colômbia, Equador, Peru e Suriname.

“Estará presente, também, como convidado do Mercosul, o ministro de Comércio e Indústria do Egito”, disse.

Para marcar o fim da presidência brasileira, o porta-voz de Temer ressaltou ainda que, durante os seis meses do Brasil no comando do bloco, o País continuou o esforço para eliminar barreiras intrabloco na área comercial.

“Novos acordos foram assinados entre os membros do Mercosul. Em abril, foi concluído o Protocolo de Facilitação de Investimentos, de iniciativa brasileira. O acordo confere maior segurança jurídica a investimentos recíprocos”, disse. “Sob a Presidência brasileira, o Mercosul seguiu intensificando suas relações econômicas e comerciais com a América Latina e o mundo”, completou.

O porta-voz ressaltou ainda que o diálogo com a Aliança do Pacífico (Chile, Colômbia, México e Peru) tem se fortalecido, “com vistas à facilitação do comércio, à maior integração das cadeias regionais de valor e ao apoio às pequenas e médias empresas”.

“Em julho, foi assinado novo acordo comercial Mercosul/Colômbia. Esse instrumento ampliou a liberalização do comércio brasileiro com a Colômbia de 84% para 97% da pauta tarifária. Os setores automotivo, têxtil e siderúrgico são particularmente beneficiados”, disse.

União Europeia

Segundo Parola, durante a presidência brasileira o acordo Mercosul-União Europeia ganhou vigor e, “após 20 anos de negociações, há perspectiva realista de conclusão do acordo”.

O porta-voz destacou ainda a situação da Venezuela e disse que durante a presidência brasileira houve o resgate da vocação original no bloco na área de democracia e direitos humanos.

“Diante da ausência de avanços no quadro democrático-institucional na Venezuela, o país foi suspenso, à luz da cláusula democrática do bloco”, disse. “Os países do Mercosul demonstraram que não há alternativa à ordem democrática na região.”

Parola disse ainda que a reunião desta quinta será uma oportunidade “valiosa para os países reafirmarem o compromisso com um Mercosul mais aberto e mais moderno”.

“O objetivo agora é transformá-lo em plataforma de inserção internacional de seus membros no mundo e no século XXI”, disse, destacando uma referência que tem sido usada por frequência pelo presidente Michel Temer em seus discursos.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!