Anatel vai à Justiça contra plano de recuperação da Oi – Jornal do Comércio

O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Juarez Quadros, afirmou ontem que o órgão regulador vai à Justiça contra o plano de recuperação judicial da Oi. A avaliação é que a proposta aprovada pelos credores contém ilegalidades com relação ao tratamento dos créditos públicos. O plano foi aprovado na madrugada desta quarta-feira.

A Oi deve R$ 14 bilhões à Anatel decorrentes de multas aplicadas pela agência. A agência é contra a inclusão dessas dívidas no plano. A Anatel votou contra, mas o órgão não se opôs aos demais tópicos do documento aprovado na madrugada, que trazem o tratamento da dívida com credores externos e bancos públicos e privados.

“São créditos públicos, e não pode a agência, na instância ainda que primária, já aceitar como sendo a decisão a ser cumprida. O parcelamento de 20 anos não tem cobertura legal, então nenhum gestor público pode tomar qualquer decisão sem esse respaldo”, disse Quadros.

O plano da Oi deverá ser homologado pelo juiz do processo da recuperação judicial. Depois dessa etapa, segundo Juarez Quadros, a Anatel vai recorrer ao Poder Judiciário. A inclusão das dívidas com a Anatel na recuperação judicial já está em discussão no Superior Tribunal de Justiça (STJ). A agência ainda avalia se vai entrar com um novo pedido no Judiciário ou reforçar a atuação nos processos em andamento.

“Tem que recorrer, uma vez que há prejuízos. Se eventualmente a Oi vencer na Justiça aquilo que foi levado à assembleia de ontem e que terá de ser homologado pelo senhor juiz, os créditos constituídos só serão pagos em 240 meses. E os (créditos) não constituídos, que são então dos da Anatel, também começarão a ser pagos daqui a 20 anos”, acrescentou o presidente da Anatel.

Pela proposta aprovada, as dívidas com a agência serão divididas em dois grupos: R$ 8,3 bilhões serão pagos em 20 anos. Outros R$ 6,1 bilhões terão carência de 20 anos e serão pagos nos cinco anos seguintes. A Anatel avalia que as únicas hipóteses de parcelamento dos créditos públicos são as estipuladas em lei, que prevê 60 meses, em parcelas iguais, ou 20 anos, com 20% de entrada e 239 parcelas mensais, com incidência de Selic, sem descontos. A negociação das dívidas é um dos planos mais sensíveis do plano. A agência passou a terça-feira em reuniões para decidir como votar na assembleia. No início da noite, decidiu por unanimidade votar contra o plano da Oi. Os conselheiros da Anatel decidiram seguir um parecer da Procuradoria Federal Especializada, que determinou, em setembro, voto contrário a qualquer plano da operadora.

Na terça-feira, a ministra-chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), Grace Mendonça, emitiu outro parecer, no qual deixava a agência livre para votar a favor do plano. O entendimento dos conselheiros, no entanto, foi que a manifestação da ministra era “opinativa” e não vinculava a agência em qualquer decisão.

“Por falta de respaldo legal (votou contra). Mesmo havendo um parecer da AGU, ele era de caráter opinativo. Apreciamos a questão e entendemos ser necessário votar contra”, disse Quadros, acrescentando: “É uma decisão que protege a agência, a AGU, o Ministério das Comunicações e o presidente da República. Uma vez o plano homologado, a agência tem que continuar o litígio. A Anatel tem que chegar até os tribunais superiores”.

A posição da Anatel foi discutida com o presidente Michel Temer (PMDB) em reunião na última terça-feira, véspera da assembleia dos credores. Também participaram os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Grace Mendonça (AGU) e Gilberto Kassab (Comunicações). No encontro, o presidente da Anatel disse a Temer que o voto contrário da agência “não derrubaria a assembleia nem impossibilitaria a aprovação do plano”.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!