Dólar sobe com investidor apreensivo com possível downgrade do Brasil – Jornal do Comércio

O dólar fechou a sessão desta quinta-feira (21), em alta, com investidores apreensivos com um possível rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela Standard & Poor’s (S&P) na semana que vem. O motivo é que a agência não costuma revisar o rating de países em anos eleitorais para não influenciar o resultado nas urnas, por isso o temor de que a revisão aconteça ainda em 2017. “Essa possibilidade reacendeu a memória do mercado sobre os impactos de um downgrade para a economia e trouxe volatilidade para o dólar”, afirma José Carlos Amado, operador de câmbio da Spinelli. “Quem precisava fazer remessa para o exterior na semana que vem acabou antecipando para hoje, a fim de evitar ser pego por uma cotação mais alta”, acrescenta.

O dólar à vista fechou com alta de 0,44%, a R$ 3,3106. Na máxima, atingiu R$ 3,3178 (+0,66%) e, na mínima, R$ 3,2921 (-0,12%). O giro foi de US$ 1,279 bilhão.

Esse cenário mais pressionado também apareceu na elevação do risco país medido pelo Credit Default Swap (CDS) – uma espécie de proteção contra calote de países. Às 16h30, o CDS de cinco anos do Brasil subia 0,54% para 144,5 pontos pontos-base. No mesmo horário, o CDS dos Brics sem o Brasil registrava queda de 0,2%. “O dólar está seguindo o aumento da percepção de risco”, diz Ignácio Crespo, economista da Guide Investimentos.

Mais cedo, por volta das 12h30, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tentou acalmar o mercado dizendo que não procedia a informação de que a agência tivesse comunicado o governo sobre um possível rebaixamento da nota brasileira. “A movimentação de rating não foi discutida com agências”, afirmou Meirelles.

A declaração do ministro, aliada ao resultado do Produto Interno Bruto (PIB) americano no terceiro trimestre – que veio abaixo das expectativas de mercado de 3,3% – conseguiu tranquilizar os investidores pontualmente. “O alta de 3,2% do PIB dos Estados Unidos pode fazer com que o banco central americano não precise elevar os juros para além do que já está precificado”, afirma Pablo Spyer, diretor da Mirae Corretora. Esses dois fatores foram responsáveis por tirar o dólar das máximas intraday e levar até a estabilidade. No entanto, por volta das 14h, a cautela voltou a imperar no mercado de câmbio e assim permaneceu até o fechamento da sessão.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!