Mercosul assinará acordo de compras governamentais – Exame

Possibilidade de o Paraguai ficar temporariamente fora do acordo havia sido informada mais cedo pelo ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes

Por Lu Aiko Otta, do Estadão Conteúdo

access_time 20 dez 2017, 21h58

Brasília – Os países integrantes do Mercosul assinarão nesta quinta-feira, 21, durante a cúpula presidencial, o acordo de compras governamentais.

“No pior dos cenários,assinam sem o Paraguai”, informou ao jornal “O Estado de S. Paulo” o secretário de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento, Jorge Arbache.

A possibilidade de o Paraguai ficar temporariamente fora do acordo havia sido informada mais cedo pelo ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes. As negociações prosseguem e havia poucos sinais de que o Paraguai também assinaria o protocolo.

Segundo Arbache, o acordo abre para as empresas brasileiras um mercado potencial de RS 15 bilhões ao ano.

É um dado menor do que os US 80 bilhões estimados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) porque diz respeito apenas às compras do governo federal. Ficam de fora os Estados, municípios e empresas estatais.

Na mão contrária, O Brasil abrirá um mercado de RS 40 bilhões para fornecedores argentinos, uruguaios e eventualmente paraguaios.

O acordo prevê que compras de produtos e serviços acima de RS 500 mil feitas pelo governo federal deverão ser abertas à participação de empresas do Mercosul em iguais condições.

No caso de obras públicas, a abertura será para contratos acima de RS 20 milhões. Há exceções, como a compra de medicamentos.

A vantagem do acordo, destacou Arbache, é que ele vai induzir a uma harmonização de regulamentos técnicos e de procedimentos.

Por exemplo, O governo não poderá fazer compras dispensando licitações. “Elas vão favorecer mais comércio e investimentos,além de melhorar a transparência”, disse o secretário.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!