Tesouro: ativos da União não são suficientes para cobrir suas obrigações – Jornal do Comércio

O Tesouro Nacional divulgou nesta quinta-feira (21) um relatório em que ressalta o crescimento do déficit no patrimônio líquido da União e o impacto de passivos, como o déficit atuarial da Previdência Social.

O relatório faz uma análise dos Ativos e Passivos da União com base no ano de 2016. Segundo o Tesouro, o patrimônio líquido da União encerrou 2016 negativo em R$ 2,021 trilhões. “Significa dizer que os ativos da União não são suficientes para cobrir suas obrigações”, afirma o relatório.

De 2015 para 2016, o déficit do patrimônio líquido da União teve aumento nominal de 41,9%. O passivo total da União alcançou R$ 6,695 trilhões, 143,3% do total do ativo.

O texto frisa ainda que o déficit atuarial do INSS afetou o patrimônio da União negativamente em R$ 1,36 trilhão em 2016, além de outros passivos importantes, como o Fundo de Compensação das Variações Salariais (FCVS) e precatórios.

O relatório também chama a atenção para a falta de flexibilidade no uso das receitas, já que a maior parte dos recursos é vinculada ou carimbada. O Tesouro ressalta ainda que, do total de R$ 3,4 trilhões em estoque de créditos tributários e inscritos na dívida ativa, apenas R$ 538 bilhões (16%) são considerados recuperáveis.

“O contribuinte dispõe de amplo direito de defesa administrativa e judicial, amparado pela legislação, além da possibilidade de aderir a programas de parcelamentos de longo prazo, impactando a expectativa de recuperação desses créditos”, acrescenta.

Estados

O relatório também analisa os empréstimos e financiamentos concedidos pela União a Estados e municípios. Segundo o texto, o total amortizado ao longo dos últimos anos não tem sido suficiente para reduzir os saldos que a União tem a receber desses Entes. “É possível visualizar que a atualização monetária e os juros sobre os saldos têm sido, em geral, maiores que os recebimentos do ano”, completa.

O Tesouro chama a atenção ainda que há uma “tendência preocupante” de alta da dívida consolidada líquida da União e que o governo tem recorrido sistematicamente à antecipação de pagamentos do BNDES para cumprir a regra de ouro, previsão constitucional que proíbe que a emissão de dívida exceda o montante gasto com investimentos.

Em relação às subvenções econômicas que o Tesouro paga em operações de créditos subsidiadas, elas somavam R$ 43 bilhões no fim de 2016, sendo que R$ 20 bilhões venceram em 2017 e o restante a partir do próximo ano.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!