Juros fecham perto da estabilidade em dia de poucas oscilações – Jornal do Comércio

Os juros futuros encerraram praticamente estáveis o último pregão da semana, nesta sexta-feira (22), com liquidez reduzida por conta da proximidade do feriado de Natal e sem indicadores de peso para o segmento. A sessão transcorreu sem sobressaltos diante de um noticiário vazio de surpresas. “O mercado está parado”, disse um operador.

Depois de passarem por um ajuste de baixa na sessão de quinta-feira, as taxas de juros mantiveram-se rondando a estabilidade ao longo de todo o dia. Os contratos abriram a sessão, majoritariamente, com viés de queda. Perto das 14h, os vencimentos mais longos passaram a exibir um leve viés de alta, em linha com o fortalecimento do dólar ante o real. No caso do câmbio, a divisa dos EUA acelerou os ganhos na parte da tarde por conta de remessas de recursos de empresas ao exterior de fim de ano, como lucros e dividendos, numa sessão de liquidez também reduzida.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 encerrou em 6,91% (mínima), de 6,92% no ajuste de quinta, e a do DI para janeiro de 2020, em 8,18%, de 8,19% no ajuste anterior. Na ponta mais longa, a taxa do DI para janeiro de 2021 encerrou a sexta-feira em 9,21% a mesma do ajuste de quinta-feira. A taxa do DI para janeiro de 2023 fechou a 10,15%, ante 10,17% no ajuste de quinta.

Destaque na agenda do dia, os dados divulgados nos Estados Unidos não chegaram a influenciar os preços domésticos. Também não gerou impacto nos ativos a conclusão da última etapa da instituição da reforma tributária nos EUA – com a assinatura do projeto pelo presidente Donald Trump, nesta tarde.

Por aqui, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), explicou em reunião com investidores em São Paulo, que as conversas com parlamentares em torno da votação da reforma da Previdência devem ser retomadas na semana que vem, “entre o Natal e o ano-novo”. “Não tem contagem de votos, não”, declarou Maia, após participar de almoço realizado pelo banco Brasil Plural. “Entre o Natal e o ano-novo, começamos a trabalhar para ver se, durante o mês de janeiro, conseguimos os votos para aprová-la”, afirmou.

Em comentário sobre o programa partidário do PSD em que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, foi o principal destaque, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, chamou atenção ao fato de o ministro não ter citado a palavra “Previdência”.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!