Petrobras pode ampliar total de ativos à venda – Jornal do Comércio

A Petrobras está disposta a vender mais US$ 5 bilhões dos seus ativos para deixar o caixa dentro da meta estipulada para o fim de 2018. Os objetivos estão mantidos, ainda que o preço do petróleo despenque e a empresa não alcance a receita esperada. Para compensar possíveis frustrações de geração de caixa, a estatal guarda um grupo de ativos dos quais considera se desfazer na última hora. Assim, o seu programa de desinvestimento subiria de US$ 16,5 bilhões para US$ 21,5 bilhões em 2018.

Em seu plano de negócios, a Petrobras usou como premissa a projeção de que o barril do petróleo do tipo brent, comercializado na Europa, vai permanecer na casa dos US$ 50, como atualmente. Em 2019, começaria a subir, até atingir o patamar de US$ 70 em 2021, estimativa considerada otimista por analistas.

Como a empresa tem os seus preços atrelados ao mercado internacional, se a cotação não subir como esperado, a receita também não avança e a petroleira fica sem caixa para fazer frente aos US$ 74 bilhões de investimentos previstos para os próximos cinco anos. A saída, então, será fazer caixa por outros meios, como com a venda de ativos e negociação de contratos com fornecedores.

“Caso a empresa perceba que não vai atingir o nível de alavancagem que deseja, a solução será aumentar o portfólio de ativos incluídos no plano de desinvestimento”, disse o diretor Financeiro, Ivan Monteiro, em teleconferência com analistas para detalhar o plano de negócios para o período de 2018 a 2022. Ele reitera que a Petrobras não admite a hipótese de chegar ao fim do ano com uma relação entre dívida e geração de caixa superior a 2,5 vezes.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!