Petróleo reverte perdas e encerra em alta após dado da Baker Hughes – Jornal do Comércio

Os contratos de petróleo encerraram em alta nesta sexta-feira (22), revertendo perdas observadas no começo da sessão, sendo impulsionados por dados divulgados pela Baker Hughes, nesta tarde.

Na Nymex, o petróleo WTI para fevereiro subiu US$ 0,11 (0,18%) e fechou a US$ 58,47 por barril. Já na ICE, em Londres, o Brent para o mesmo mês avançou US$ 0,35 (0,53%) e fechou a US$ 65,25 por barril.

Os preços vinham recuando no começo de uma sessão de baixo volume de negócios, em decorrência da temporada de feriados. Perto do final da sessão, no entanto, a Baker Hughes informou que o número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos Estados Unidos permaneceu inalterado na semana, somando 747.

Já o número total de poços e plataformas em operação nos EUA, que inclui exploração de gás, subiu 1, de 930 para 931.

O dado foi bem recebido no mercado, atenuando temores de que o aumento da produção norte-americana pode reduzir o efeito do acordo de corte na produção firmado entre grandes produtores da commodity e a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Embora analistas esperem uma semana quieta na sequência do Natal, muitos dizem que ficarão de olho no sistema de oleodutos Forties, no Mar do Norte, para ver se as atividades serão retomadas no começo do ano novo.

O sistema foi fechado na semana passada, após a operadora Ineos ter descoberto uma rachadura na estrutura, interrompendo um fluxo de 450 mil barris diários. Mas a Ineos disse na quinta-feira que espera retomar gradualmente o fluxo no começo de 2018.

Os preços de petróleo têm subido mais de 20% desde setembro, como resultado do renovado risco político à oferta do Oriente Médio, recuo dos estoques globais e os esforços da Opep para frear a produção.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!