Dólar e juros têm viés de baixa apesar do risco de rebaixamento – Valor

SÃO PAULO  –  Apesar do risco de novo rebaixamento do rating do Brasil, o dólar e os juros futuros operam em viés de baixa na manhã desta terça-feira. Profissionais de mercado comentam que a direção dos ativos é decorrente mais de ajustes técnicos, aproveitando níveis elevados das taxas, do que uma melhora de fundamentos.

O dólar opera em baixa de 0,29%, a R$ 3,3248, interrompendo a sequência de três altas consecutivas.

O comportamento positivo do câmbio, pelo menos por ora, também contribui para os juros futuros. O DI janeiro de 2021 recua a 9,150%, ante 9,210% no ajuste anterior.

Um dos principais pontos de atenção entre os agentes financeiros é a situação fiscal do país. Com o adiamento da votação da reforma da Previdência para 2018, a apreensão nas mesas de operação também vem do risco de rebaixamento no Brasil. O anúncio da S&P Global Rating é esperado para esta semana, o que já teria sido relatado ao governo, embora o conteúdo da decisão não esteja confirmado.

Há um aparente consenso no mercado de que – em menor ou maior grau – o downgrade teria impacto negativo nos ativos. Por outro lado, alguns profissionais comentam que o estresse seria limitado. Para o estrategista-chefe do banco Mizuho do Brasil, Luciano Rostagno, a própria postergação da reforma já teria levado o mercado a incorporar o risco de rebaixamento nos preços. “E o país já não tem mais grau de investimento, por isso, novas mudanças devem gerar algum nervosismo nos ativos, mas com efeito apenas moderado nos preços”, diz o especialista.

Caso o receio sobre o rating não se concretize, alguns profissionais enxergam inclusive algum potencial de melhora nos preços de mercado. “O cenário não é muito positivo e o evento da S&P é preocupante, porque indica que o governo não está conseguindo avançar na reforma”, diz o sócio e gestor na Leme Investimentos, Paulo Petrassi. “Mas se não houver o rebaixamento da S&P, o mercado pode até dar uma melhorada e volta a focar no cenário de eleição”, acrescenta.

O julgamento do recurso do ex-presidente Lula no TRF-4 no final de janeiro é tido como um catalisador de peso no mercado. Isso porque uma decisão contrária ao petista, já condenado em primeira instância, sinalizaria dificuldades para concorrer à presidência em 2018. Lula é considerado como um dos potenciais riscos à atual diretriz econômica, centrada na agenda de reformas.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!