Juros futuros recuam em sessão de baixa liquidez – Jornal do Comércio

As taxas dos principais dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) encerraram em queda a sessão desta terça-feira (26), de baixa liquidez. Mesmo surpreendendo positivamente, o bom resultado fiscal do governo central em novembro não chegou a influenciar os negócios, segundo dois operadores do mercado de renda fixa.

De forma geral, a sessão foi de boas notícias no cenário macroeconômico, como Relatório de Mercado Focus, que mostrou uma mudança da projeção mediana para a Selic para o fim de 2017 – de 7% para 6,75% ao ano. A alteração reforça a tese de um corte de 0,25 ponto porcentual da Selic na próxima reunião do Copom nos dias 6 e 7 de fevereiro, segundo o operador da H.Commcor Cleber Alessie Machado Neto.

Pouco antes, a Fundação Getulio Vargas divulgou que a inflação do setor da construção civil em dezembro e a inflação ao consumidor medida pelo IPC-S na terceira quadrissemana deste mês vieram mais baixas do que nas leituras anteriores. O IPC-S ficou em 0,27% na terceira leitura de dezembro (ante 0,34% na anterior). O INCC-M ficou em 0,14% em dezembro ante 0,28% em novembro.

Apesar de não ter feito preço, o superávit primário do governo central foi considerado importante por Machado Neto, da H Commcor, por conta da preocupação dos agentes econômicos com a possibilidade de um rebaixamento do rating soberano pela agência S&P. Com um reforço de R$ 12 bilhões no mês passado com os pagamentos referentes ao leilão de hidrelétricas, o caixa do governo central registrou um superávit primário de R$ 1,348 bilhão em novembro. Todas estimativas captadas pelo Projeções Broadcast eram de déficit.

A liquidez bastante baixa nos mercados internacionais – visto que não há negociação nesta terça-feira na Europa e, hoje, era fraca a agenda econômica nos EUA – também colaborou para a oscilação branda das taxas no mercado de juros futuros. Além disso, o dólar em queda “não atrapalhou”, como afirmou a gestora de renda fixa da Mongeral Aegon Investimentos, Patrícia Pereira.

Nesse contexto, o DI para janeiro de 2019 fechou a 6,87% (mínima) ante 6,91% no ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2020 encerrou a terça-feira a 8,11% ante 8,18% no ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2021 também ficou em 8,11% ante 9,21% no ajuste de sexta-feira. E o DI para janeiro de 2023 fechou a 10,05% ante 10,14% no ajuste de sexta-feira.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!