Ibovespa sobe 0,48% e marca 5ª alta seguida – Jornal do Comércio

A bolsa brasileira subiu nesta quarta-feira, 27, pelo quinto dia consecutivo, em meio a um ambiente de agenda esvaziada e liquidez bastante reduzida. O Índice Bovespa terminou o dia com ganho de 0,48%, aos 76.072,53 pontos, passando a contabilizar valorização de 5,70% em dezembro. Os negócios somaram R$ 5,17 bilhões.

A escassez de notícias no cenário político tem sido um fator positivo nos últimos dias, segundo Carlos Soares, analista da Magliano Corretora. Isso porque, com a reforma da Previdência fora do radar, os investidores voltaram as atenções ao noticiário conjuntural e corporativo, que segue majoritariamente positivo.

O maior exemplo de gatilho deste final de ano está no desempenho do comércio no Natal, apontam os profissionais do mercado. As vendas do período tiveram o maior crescimento desde 2010, segundo a Serasa Experian, que apurou alta de 5,6% na comparação com igual período de 2016. Alshop e SPC Brasil registraram avanço de 6% e 4,72% no movimento do comércio este ano.

Com isso, as ações de empresas de consumo e varejo foram destaque mais uma vez no pregão desta quarta. Lojas Americanas ON subiu 4,08%, a maior alta do Ibovespa. Em seguida vieram Natura ON (+4,00%), Localiza ON (+3,48%), JBS ON (+2,74%) e Lojas Renner (+2,54%). Entre as blue chips, contribuíram também para a alta do Ibovespa os papéis da Petrobras, que avançaram 0,36% e 0,50%. Vale ON ficou perto da estabilidade (+0,03%). Entre os bancos, o destaque foi Banco do Brasil ON, com ganho de 1,23%. Já Itaú Unibanco PN recuou 0,54%.

A exceção ao noticiário conjuntural positivo foi o resultado de novembro do Cadastro Geral de Empregados (Caged), único indicador relevante do dia. Segundo o levantamento, houve fechamento de 12.292 vagas no mês passado. O dado surpreendeu o mercado, que tinha expectativa de abertura de postos de trabalho Segundo o Projeções Broadcast, as estimativas estavam entre abertura de 8 mil a 90 mil vagas. O dado, apesar de negativo, não chegou a influenciar os negócios.

“O resultado do Caged surpreendeu, mas não o suficiente para alterar nossas expectativas para os próximos meses, que seguem positivas. As vendas de Natal mais fortes devem gerar aumento nas encomendas à indústria, devido à redução de estoques, o que tem potencial para aquecer a economia”, afirma Soares.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!