Vendas de Natal registramalta em todos os segmentos – Jornal do Comércio

Do shopping center ao e-commerce, o Natal 2017 apresentou dados positivos após um longo período de estagnação. A Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) informou ontem que as vendas nominais do setor cresceram 6% em relação ao mesmo período de 2016. Com isso, o faturamento deve chegar a R$ 51,2 bilhões. Segundo a associação, a melhora da economia, mesmo que “lenta e gradual”, impulsionou a volta dos consumidores aos corredores dos shoppings. Além disso, as liberações de FGTS e PIS/Pasep, e as reduções da taxa Selic e da inflação foram fatores que contribuíram para o aumento das vendas.

O segmento de supermercado é o que mais cresceu no período, com 33,5%, seguido por vestuário e calçados, com 26%. Artigos de uso pessoal e domésticos aumentaram 14,3%; móveis e eletrodomésticos, outros 9,1%; farmácia e perfumaria, 5,8%; e outros segmentos, 11,2%. Para o ano, a Alshop estima uma evolução de 5%, o que equivale a um faturamento de R$ 147,5 bilhões. O presidente da Alshop, Nabil Sahyoun, disse que, neste ano, o setor já observa a retomada do crescimento na receita, depois de dois anos de queda. Em 2015, o faturamento caiu 2%, e, em 2016, outros 3,2%. “A recuperação lenta da economia já se reflete nas vendas nominais do setor. Assim como no ano, o Natal de 2017 também foi o melhor desde 2015, pois, neste período, ocorreram queda de 2%, e, em 2016, outros 3%. É o primeiro Natal com crescimento de vendas”, disse o executivo.

Impulsionada pela venda de smartphones, a categoria telefonia correspondeu por um quinto do faturamento do e-commerce no período do Natal e chegou a R$ 8,7 bilhões, alta nominal de 13% na comparação com os R$ 7,7 bilhões registrados no mesmo período do ano passado. O número de pedidos expandiu 13,3%, de 16,83 milhões para 19,06 milhões. O tíquete médio caiu 1%, de R$ 462,00 para R$ 457,00.

Para este levantamento, a Ebit considerou as vendas estimadas para o e-commerce entre 15 de novembro e 24 de dezembro, incluindo o período da Black Friday, que, neste ano, correspondeu a 25% do faturamento do setor no período. Os números estão praticamente em linha com a projeção da Ebit, divulgada em meados de dezembro. “A única surpresa foi a elevação no volume de pedidos, que cresceu 1 ponto percentual a mais do que esperávamos, mas, com a retração no tíquete médio, o faturamento ficou dentro da estimativa da Ebit para o período”, afirma Pedro Guasti, CEO da Ebit. Entre as principais categorias, destaque para telefonia (que inclui celulares e smartphones), que representou 21% do faturamento do e-commerce no período.

 

Dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostram que a retomada da economia teve seus primeiros reflexos na confiança dos consumidores e aumento do consumo. As consultas para vendas a prazo na semana anterior ao Natal (entre 18 e 24 de dezembro), a data comemorativa mais lucrativa para o varejo no ano, aumentaram 4,72% na comparação com 2016. Trata-se do primeiro ano de crescimento após três anos consecutivos de retração e a data comemorativa de 2017 com o aumento mais expressivo: Páscoa ( 0,93%), Dia das Mães (-5,50%), Dia dos Namorados (-9,61%), Dia dos Pais (-2,18%) e Dia das Crianças ( 3%). Nos últimos anos, os resultados de vendas a prazo no Natal foram de -1,46% (2016), -15,84% (2015) e -0,7% (2014).

Segundo o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro, o resultado é consequência da melhora da conjuntura e da proximidade do fim da crise econômica. “O acesso ao crédito mais difícil e os juros elevados ainda limitam o poder de compras dos brasileiros, mas, com a economia dando sinais de retomada, os consumidores foram às compras de forma menos tímida que nos últimos anos e também nas outras datas comemorativas de 2017”, afirma. Neste ano, segundo um levantamento do SPC Brasil, o gasto médio do brasileiro com o total de presentes de Natal girou em torno de
R$ 461,91. A estimativa era de que a data movimentasse cerca de R$ 51 bilhões na economia.

As vendas do Natal de 2017 no País tiveram o melhor desempenho desde 2010, revertendo três anos consecutivos de retração. O Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio – Natal 2017 mostra crescimento de 5,6% na semana entre 18 e 24 de dezembro em relação a igual período de 2016. No fim de semana que antecedeu o Natal, de 22 a 24, a alta foi de 0,8% na comparação com igual período do ano passado (de 16 a 18 deste mês).

Só na cidade de São Paulo, as vendas subiram 5,2% na semana natalina em relação a igual período de 2016, enquanto, no fim de semana, houve expansão de 0,6%.

Conforme os economistas da Serasa Experian, o aumento no volume de vendas do comércio reflete a recuperação da renda real dos consumidores, influenciada pelo recuo “sistemático” da inflação e pela queda “gradual” do desemprego, além da retomada da confiança e do crédito após a queda do juro.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!