Dólar recua ante rivais com impactos da reforma tributária nos EUA no radar – Jornal do Comércio

O dólar voltou a perder força nesta quinta-feira (28), à medida que os investidores veem um cenário positivo para um aperto monetário gradual na zona do euro no próximo ano. Além disso, os agentes continuaram a monitorar possíveis impactos da reforma tributária e das ações do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) no dólar em 2018.

No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar recuava para 112,89 ienes, enquanto o euro avançava para US$ 1,1945. O índice do dólar (DXY), que mede a divisa dos Estados Unidos em uma cesta com outras seis moedas principais, apresentava queda de 0,45%, a 92,602 pontos, perdendo o nível dos 93 pontos e registrando o menor nível em três meses.

Investidores esperam que o Banco Central Europeu (BCE) comece a reduzir seu programa de estímulo monetário no próximo ano, preparando o caminho para uma eventual elevação nos juros na zona do euro.

O aperto monetário fora dos EUA mina parte da atratividade do dólar na comparação com outras divisas principais na avaliação dos que procuram por rendimentos maiores. Com essa perspectiva no radar, o euro apresentou forte alta nesta quinta-feira, dando prosseguimento ao movimento visto em boa parte do ano.

Em solo americano, o otimismo quanto à reforma tributária e ao aperto do Fed fez com que os rendimentos dos títulos americanos operassem em alta. No entanto, o dólar não acompanhou o movimento altista e operou em queda. Para o estrategista de câmbio da Tempus, Juan Perez, “há um sentimento de negatividade em 2018 para a moeda americana. Embora a reforma tributária possa dar um gás adicional à economia americana, não parece que esse combustível seja suficiente para fazer com que o dólar se aprecie”.

Visão semelhante têm os analistas da BMO Capital Markets. Em nota a clientes, eles apontaram que o Fed “perdeu sua capacidade de chocar o mercado ou mesmo de influenciá-lo de maneira importante” ao seguir o que havia previsto em dezembro de 2016, elevando os juros três vezes neste ano.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!