Projeção para dívida bruta em dezembro é de 76,1% do PIB, diz diretor do BC – Jornal do Comércio

O Banco Central prevê que a dívida bruta deve fechar o ano de 2017 em montante equivalente a 76,1% do Produto Interno Bruto (PIB). A expectativa indica forte aumento no último mês do ano, já que o indicador terminou novembro em 74,4% do PIB. A previsão anterior, feita em setembro, indicava 76,2% do PIB.

Diante da grande diferença entre o número previsto para dezembro e o observado em novembro, o chefe adjunto do Departamento de Estatísticas do BC, Renato Baldini, explicou que o número leva em conta principalmente a previsão de cumprimento da meta do ano – não há previsão do BC para o resultado primário incluída na estimativa.

“O resultado primário abaixo da meta para o ano explica a projeção de alta da dívida bruta”, disse Baldini. O setor público tem como meta déficit primário de R$ 163,1 bilhões neste ano e o acumulado em 11 meses é resultado menos pior que o objetivo: déficit de R$ 78,261 bilhões. “Se o resultado fiscal de dezembro for melhor, a dívida será algo menor”, completou.

Já a dívida líquida do setor público deve fechar o ano em 52,6% do PIB. Em novembro, a dívida líquida somou 51,1% do PIB. A última previsão para o indicador do ano foi feita em setembro, quando o BC esperava 53,6% do PIB. Segundo Baldini, a depreciação cambial observada nos últimos meses explica a redução da previsão para a dívida líquida, já que o Brasil é credor em moeda estrangeira.

A queda da taxa Selic e a inflação menor têm reduzido o gasto do governo federal com juros da dívida. A diminuição da despesa, porém, poderia ser maior se não fosse o impacto das operações de swap cambial – transação que também gera impacto na conta de juros.

Sem os swaps, a conta de juros teria somado R$ 444 bilhões nos 11 primeiros meses de 2016 e teria caído expressivamente para R$ 376 bilhões de janeiro a novembro de 2017. Os números foram informados por Renato Baldini.

O swap cambial é uma operação feita pelo Banco Central com o mercado financeiro. Nela, BC e investidores trocam taxas: um lado oferece a variação cambial e o outro paga com juros. Essa transação gerou ganho financeiro de R$ 71,7 bilhões nos 11 primeiros meses de 2016 ao BC. Em igual período de 2017, o ganho caiu drasticamente para R$ 8,5 bilhões.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!