Governo quer levantar R$7 bi com venda de fatias da Infraero – Exame

O plano é passar ao setor privado a fatia de 49 por cento da Infraero nos terminais de Brasília (DF), Confins (MG), Galeão (RJ) e Guarulhos (SP)

Por Reuters

access_time 28 dez 2017, 22h07

RIO DE JANEIRO (Reuters) – O governo federal pretende arrecadar cerca de 7 bilhões de reais em 2018 com a venda das participações da Infraero em aeroportos concedidos nos últimos anos, disse uma fonte próxima do assunto.

O plano é passar ao setor privado a fatia de 49 por cento da Infraero nos terminais de Brasília (DF), Confins (MG), Galeão (RJ) e Guarulhos (SP), segundo a fonte, que pediu anonimato

Com a operação, o governo quer resolver vários problemas de uma vez. Primeiro, deixará de contribuir para o pagamento da outorga anual da concessão dos terminais, em especial porque a deficitária Infraero tem sido incapaz de honrar compromissos.

Além disso, as vendas dariam sequência ao enxugamento da estatal para futura extinção ou privatização. Por último, o governo espera que com a iniciativa privada os terminais aumentem a qualidade do serviço prestado, já que a estatal tem dificuldades para fazer investimentos.

“A avaliação do governo é que essas participações da Infraero valem uns 7 bilhões de reais. Isso já está definido para ser feito em 2018”, disse a fonte. “A proposta é que a Infraero venda toda a participação que tem nos quatro aeroportos.”

Segundo os estudos contratados, o terminal de Brasília deve ser o mais valorizado devido à melhora de qualidade e eficiência desde que o aeroporto passou a ter administração privada.

Já a fatia da Infraero no Galeão é considerada a menos valorizada, diante de dificuldades da concessionária para honrar compromissos contratuais, que foram resolvidos esse mês com reperfilamento das outorgas e empréstimo de longo prazo do BNDES. Isso se deu em meio à mudança societária no terminal –a OTP vendeu sua participação para a chinesa Changi Airports.

“Brasília está redondo e rodando bem. Já para o do Rio de Janeiro o mercado vai esperar um pouco para ver como fica essa nova configuração. O terminal está em curva de aprendizagem e com muita ociosidade”, disse a fonte.

Ainda de acordo com ele, as fatias da Infraero serão oferecidas primeiro aos atuais sócios nos terminais e já há conversas preliminares nessa direção.

“Os caras que já estão nos aeroportos querem comprar ou já estão conversando com investidor de fora que quer se associar”, disse a fonte. “Temos informações de que a Inframérica (que atua em Brasília) quer a parte da Infraero, mas está conversando com gente de fora. A CCR, que está em Confins, também já tem conversas nesse sentido.”

Para estimular a competição e evitar uma concentração na mão de um mesmo grupo, o governo pretende estabelecer uma cláusula de barreira para impedir participações cruzadas.

Segundo a fonte, uma empresa que ainda não faz parte da concessão de um terminal e resolver comprar a fatia da Infraero não poderá arrematar mais de uma participação. O governo quer proibir também que um grupo majoritário em um terminal possa comprar a participação minoritária em outro aeroporto.

“Não será permitida uma concentração ou compra cruzada. O entendimento é que isso não estimularia o crescimento do mercado nem a melhoria da qualidade do serviço”, frisou a fonte.

O aeroporto de Viracopos, em Campinas, a princípio ficará fora dessa rodada de venda das participações devido a problemas na concessão que foi devolvida pela Triunfo que alegou frustrações na expectativa de fluxo de passageiros e cargas que criou dificuldades de pagamento de compromissos.

“Há conversas com um grupo interessado em assumir a parte privada do terminal. Se isso acontecer de forma rápida, ou seja, até janeiro, a venda da parte da Infraero pode ser qualificada no PPI para sair no ano que vem”, disse a fonte.

Paralelamente, a Infraero contratou uma consultoria para desenvolver um estudo sobre as perspectivas da estatal. O levantamento apontou a possibilidade de abertura de capital, opção que tinha sido cogitada no governo do PT, mas não avançou.

“Acho que ninguém colocaria seu dinheiro numa empresa deficitária”, disse a fonte.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!