Taxa de desemprego cai, mas postos precários ainda são maioria – Exame

O IBGE informou nesta sexta-feira, 29, que a taxa de desemprego ficou em 12% no trimestre encerrado em novembro passado

access_time 29 dez 2017, 11h04

Rio – A queda na taxa de desemprego vem ocorrendo com aumento da população ocupada, mas a maior parte dos empregos gerados são precários, alertou o coordenador de Trabalho e Rendimento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Cimar Azeredo.

O órgão informou nesta sexta-feira, 29, que a taxa de desemprego ficou em 12% no trimestre encerrado em novembro passado, ante 12,2% no trimestre terminado em outubro e 12,6% nos três meses findos em agosto. É o menor nível desde o quarto trimestre de 2016, quando a taxa havia ficado nos mesmos 12%, mas, ainda assim, é a maior taxa para trimestres encerrados em novembro desde o início da série, em 2012. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

“Essa taxa se dá em função do aumento da ocupação, e não de pessoas saindo do mercado de trabalho”, disse Azeredo. O País ganhou 887 mil postos de trabalho em apenas um trimestre, na passagem dos três meses findos em agosto para o trimestre encerrado em novembro, um crescimento de 1% na população ocupada.

Segundo Azeredo, foi a primeira vez que a população ocupada teve aumento significativo. O contingente total da população ocupada, de 91,9 milhões de pessoas, é o maior desde o quarto trimestre de 2015, quando havia ficado em 92,2 milhões de pessoas.

Azeredo chamou atenção, porém, para o fato de o crescimento estar associado a vagas de trabalho marcadas pela informalidade, com empregos não registrados. Enquanto o contingente de ocupados com carteira assinada caiu 0,6% na mesma base de comparação, com 194 mil vagas a menos, os aumentos foram verificados no trabalho sem carteira (3,8% de alta no total de ocupados, com 411 mil vagas a mais), no trabalho doméstico e por conta própria.

“Uma retomada de volume de pessoas trabalhando a gente assiste no mercado de trabalho brasileiro, agora, junto com isso vem um contingente muito grande de trabalho precário”, afirmou o coordenador do IBGE.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!