Dólar cai 1,62% para R$ 3,26 influenciado pelo cenário externo – Valor

SÃO PAULO  –  O clima global positivo para ativos de risco contagiou os negócios no mercado doméstico de câmbio e levou a cotação do dólar ante o real para o menor patamar desde o dia 6 de dezembro, recuando 1,62% para R$ 3,2597.

Esse movimento foi alinhado com o de outros mercados e refletiu um quadro de crescimento sincronizado e consistente no mundo, que aponta para a continuidade de um fluxo para emergentes. “Não há um risco óbvio no horizonte”, disse o sócio da Rosenberg Investimentos, Marcos Mollica.

O mundo mais disposto a buscar risco se traduz em busca por ativos de maior risco, consequentemente, favorecendo moedas de países emergentes. Assim, o dólar caiu 0,92% ante o peso mexicano, cedeu 0,61% em relação à lira turca, perdeu 0,70% em relação à rupia e teve retração de 0,34% na comparação ao dólar canadense.

No exterior, as bolsas americanas voltaram a ter uma sessão vigorosa, sob efeito ainda de um cenário favorável para a economia.

Na China, indicadores de atividade mostraram um ritmo mais intenso, depois que  índice PMI industrial do Caixin mostrou avanço para 51,5 em dezembro, ante 50,8 em dezembro. Além disso, o Banco Central chinês voltou a injetar liquidez no mercado pelo oitavo dia consecutivo.

No Brasil, investidores também operam sob efeito da visão positiva para a atividade, que deve se traduzir no ingresso de recursos para investimentos em ações. Hoje, a bolsa superou os 77 mil pontos, em parte sustentada pela vinda do não-residente.

O real também é beneficiado pelo fato de não ter se concretizado o temido rebaixamento da nota de crédito do país pela agência de risco pela S&P na semana passada.

Diante do risco de a agência de rating voltar a carga e cortar a nota do país, alguns players haviam assumido posições defensivas, que foram revertidas agora.

O risco de um corte na nota ainda prevalece, mas parece mais provável que a agência irá esperar pela votação da reforma da Previdência, prevista para fevereiro. “O mais provável é que haja downgrade [rebaixamento], porque não deve haver reforma. Mas a reação deve ser apenas pontual”, afirmou Mollica, da Rosenberg.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!