Juros terminam em baixa, com alívio no dólar e cenário benigno para inflação – Jornal do Comércio

A percepção ainda melhor do cenário de inflação e o retorno de fluxo para mercados emergentes, além da forte desvalorização do dólar, ditaram baixa aos juros futuros na primeira sessão de 2018. Nesta terça-feira (2), à tarde, as taxas intensificaram o ajuste, em linha com o movimento da moeda, encerrando perto das mínimas do dia. Também contribuiu a não confirmação de um downgrade na nota de crédito do País pela agência de classificação de risco Standard and Poor’s no fim de 2017.

“O cenário de inflação está melhor e o fluxo para emergentes, voltando”, disse uma fonte da área de tesouraria de um banco. “A bandeira verde aumenta a chance de dois cortes de 0,25 ponto porcentual da Selic”, emendou, ao comentar o possível impacto do anúncio feito na última sexta-feira pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que libera os consumidores do pagamento de taxa adicional pela energia em janeiro. Em dezembro, vigorava a bandeira vermelha 1, que adiciona R$ 3,00 a cada 100 kWh.

Para Paulo Nepomuceno, estrategista de renda fixa da Coinvalores, a trajetória das taxas no dia é explicada em boa medida também pelo dólar, em queda forte no mundo. Há o impacto de dados de atividade positivos da zona do euro e na China na cotação. Ele acrescentou, porém, que o mercado devolve o movimento decorrente da cautela com a possibilidade de uma política monetária restritiva nos Estados Unidos e de um rebaixamento do Brasil.

“O mercado caminha para o consenso de que a política monetária dos EUA tende a ser apertada, mas não tão restritiva a ponto de estrangular o fluxo de capital para países emergentes, que necessitam dele para se financiar e crescer”, disse ele. “No Brasil, o dólar também ganhou prêmio com a especulação envolvendo a S&P e como o downgrade não aconteceu, alguns players que haviam se posicionado (para o rebaixamento) acabam saindo daquela posição. Voltam ao cenário ‘pé no chão’, de inflação baixa e juros baixos”, concluiu.

Ao término da sessão estendida, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro para janeiro de 2019 caía de 6,87% no ajuste de quinta-feira para 6,81%. A do DI para janeiro de 2020, de 8,07% para 7,93%. Os DIs para janeiro de 2021 e 2023 apontavam 8,88% e 9,79% ante 9,06% e 9,99%, respectivamente.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!