Agronegócio gaúcho criou mais de 4 mil empregos em novembro – Jornal do Comércio

O Rio Grande do Sul voltou a registrar saldo positivo de empregos formais no agronegócio pelo segundo mês consecutivo. Em novembro, o número de admissões (14.570) foi superior ao de desligamentos (10.418), resultando na criação de 4.152 postos de trabalho com carteira assinada, informam os dados da Fundação de Economia e Estatística (FEE) divulgados nesta quinta-feira.

Os três segmentos do agronegócio aumentaram o número de empregos em novembro. O resultado mais expressivo ocorreu no segmento “dentro da porteira”, formado por atividades características da agropecuária. O acréscimo de 2.243 postos foi liderado pelos setores de produção de lavouras permanentes e temporárias. O cultivo de frutas foi o que mais contribuiu para esse saldo, com a com mobilização expressiva de mão de obra para a colheita da maçã no município de Vacaria, resultando em mais 1.341 postos.

No segmento “antes da porteira”, que abrange as atividades dedicadas ao fornecimento de insumos, máquinas e equipamentos para a agropecuária, foram criados 1.283 postos de trabalho com carteira assinada. O maior saldo positivo foi no setor de produção de sementes e mudas certificadas, com mais 1.749 empregos, concentrado sobretudo em Cruz Alta, onde foram criados 1.729 empregos nesse setor. Já os destaques negativos foram os setores de fabricação de adubos e fertilizantes (-266 postos) e de fabricação de tratores, máquinas e equipamentos agropecuários (-240 postos). 

Já no segmento “depois da porteira”, composto por atividades agroindustriais e de comércio atacadista, houve incremento de 626 postos de trabalho. Nesse segmento, foram criados 774 empregos no setor de fabricação de conservas e 417 empregos no setor de abate e fabricação de produtos de carne. Já o setor com maior saldo negativo foi o de comércio atacadista de produtos agropecuários e agroindustriais.

Em relação a novembro de 2016, houve acréscimo de 114 postos de trabalho, passando de 4.038 empregos com carteira assinada para 4.152. Na comparação desses dois meses, o setor com maior variação positiva no saldo de empregos foi o de produção de lavouras permanentes.

No acumulado de janeiro a novembro de 2017, foram criados 8.075 empregos com carteira assinada no agronegócio gaúcho. Em igual período de 2016, o saldo entre admissões e desligamentos foi de 8.554 empregos, resultando em uma variação negativa de 479 postos. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!