Bolsas de NY apresentam novas máximas históricas de fechamento – Jornal do Comércio

Os mercados acionários americanos deram prosseguimento ao rali visto neste início de ano e marcaram novas máximas históricas de fechamento, apoiados pelo otimismo com o crescimento econômico dos Estados Unidos e pela crença de que os bancos centrais não irão retirar os estímulos monetários, o que prejudicaria a economia.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,88%, aos 25.295,87 pontos; o S&P 500 avançou 0,70%, aos 2.743,15 pontos; e o Nasdaq subiu 0,83%, aos 7.136,56 pontos. Com isso, os três indicadores encerraram o dia em novos recordes. O Dow Jones alcançou o maior desempenho diário desde 30 de novembro. Na semana, o índice apresentou alta de 0,86%, o S&P 500 teve valorização de 1,36% e o Nasdaq ganhou 1,94%.

O posicionamento da presidente da distrital de Cleveland do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Loretta Mester, mostrou que as bolsas podem não ter tantos motivos de preocupação quanto às políticas de retirada de acomodação por parte dos bancos centrais. A dirigente afirmou que os outros banqueiros centrais do Fed não se importam com os preços dos ativos, mas sim com o impacto deles na economia real. “Não estou preocupada com o fato de estarmos em um ambiente de instabilidade financeira”, comentou Mester em entrevista à CNBC.

A fala da dirigente do Fed deu gás adicional aos mercados de ações dos EUA na última hora de pregão. Antes, as ações já operavam em alta, com a perspectiva de que o Fed pode não acelerar tanto o aperto monetário. Durante a manhã, o Departamento do Trabalho americano informou que a economia do país criou 148 mil empregos em dezembro, abaixo da estimativa de 180 mil postos dos analistas consultados pelo Wall Street Journal. Já o salário médio por hora apresentou avanço de 0,34% na comparação com novembro, um resultado praticamente em linha com a projeção de 0,3%.

Na avaliação do economista-chefe do MUFG Union Bank, Christopher Rupkey, embora o salário médio por hora de dezembro tenha apresentado uma aceleração em relação ao passado recente, “a taxa anual de 2,5% ainda está abaixo das medidas preferidas pelo Fed, de 3% a 4%”. Ele, no entanto, se mostra cético em relação a um possível impulso do corte nos impostos no mercado de trabalho. “Nenhuma quantidade de cortes aumentará a contratação nesta fase do ciclo econômico à medida que batemos na porta do pleno emprego. Como, então, os salários irão aumentar?”, questiona.

Caso as apostas de Rupkey se confirmem e os salários não aumentem e, consequentemente, não contribuam para uma inflação maior, o cenário passa a ser ainda mais benigno para os mercados acionários, que não enfrentariam uma mão tão pesada do Fed. Não à toa, as ações de tecnologia estenderam os ganhos do ano passado e continuam em um ritmo forte de alta. Nesta sexta-feira, a Amazon subiu 1,62%, a Netflix avançou 2,12%, o Google ganhou 1,33% e a Apple teve valorização de 1,14%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!