Cobre opera em queda, diante de dólar mais forte – Jornal do Comércio

O cobre opera em baixa na manhã desta sexta-feira (5), pressionado pelo dólar mais forte. O movimento no câmbio propicia ainda uma realização de lucros, após o metal subir na sessão anterior.

Às 9h42min (de Brasília), o cobre para três meses recuava 0,5%, a US$ 7.150 a tonelada, na London Metals Exchange (LME). Às 9h49, o cobre para março caía 0,58%, a US$ 3,2440 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

“O dólar está um pouco mais forte e essa é a razão por trás da queda das commodities hoje”, afirmou Simona Gambarini, economista do setor de commodities na Capital Economics. Um dólar mais valorizado deixa mais caras as commodities para os detentores de outras moedas, o que reduz o apetite deles.

O mercado espera o relatório mensal de empregos (payroll) dos Estados Unidos, às 11h30. Um dado robusto poderia levar o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) a elevar mais os juros, o que por sua vez fortalece o dólar.

Segundo os analistas da corretora Marex Spectron, o interesse no mercado físico do cobre segue contido e o quadro deve seguir assim pelo menos até os feriados do Ano Novo Chinês, no próximo mês. A China é um dos maiores consumidores de cobre e de outros metais usados na construção.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o alumínio opera estável, a US$ 2.251 a tonelada, o chumbo subia 0,6%, a US$ 2.587 a tonelada, o estanho tinha alta de 0,1%, a US$ 19.900 a tonelada, o zinco avançava 0,6%, a US$ 3.375 a tonelada, e o níquel recuava 0,4%, a US$ 12.590 a tonelada. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!