Juros fecham em alta com aumento da incerteza fiscal e fator técnico – Jornal do Comércio

Os principais contratos de juros futuros seguiram levemente pressionados ao longo da tarde desta sexta-feira (5) destoando da melhora do comportamento do câmbio e das ações, e as taxas fecharam em alta moderada. A trajetória, segundo profissionais da área de renda fixa, foi determinada sobretudo por fatores internos, com destaque para as preocupações com o impacto da possível mudança da regra de ouro do Orçamento.

Além disso, a curva continuou refletindo o efeito do leilão de títulos prefixados do Tesouro na quinta-feira, quando foram vendidos 3,750 milhões de Notas do Tesouro Nacional – Série F (NTN-F).

No fim da sessão regular, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 encerrou com taxa de 6,795%, de 6,770% no ajuste de quinta, e a taxa do DI para janeiro de 2020 subiu de 7,93% para 7,99%. A taxa do DI para janeiro de 2021 avançou de 8,83% para 8,89% e a taxa do DI para janeiro de 2023 encerrou em 9,79%, de 9,76%.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), confirmou a intenção do governo de apresentar Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que flexibiliza a chamada regra de ouro, conforme antecipou o Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado). A regra, prevista na Constituição, impede o governo de emitir dívida para pagar despesas de custeio. Desde 2017, essa regra corre o risco de não ser cumprida e o maior perigo de descumprimento é em 2019, quando se inicia o próximo governo.

Segundo o deputado Pedro Paulo (MDB-RJ), a proposta em discussão prevê aplicar uma regra de “waiver”, uma espécie de carência para dar liberdade ao governo de não cumprir a regra de ouro por alguns anos.

“É uma sinalização muito ruim para as agências de classificação de risco”, afirmou o estrategista-chefe da Coinvalores, Paulo Nepomuceno.

Um gestor afirma que o mercado continuou nesta sexta sentido o impacto do leilão de NTN-F 2029, que teve volume expressivo (3 milhões) de papéis. “O leilão de pré ontem foi grande e o mercado foi com tudo em cima de um papel muito longo. Talvez não tivesse tanto apetite para isso”, afirmou.

Nos demais ativos, às 16h49, o dólar à vista cedia 0,05%, aos R$ 3,2327, e o Ibovespa avançava 0,32%, aos 78.899,152 pontos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!