Payroll tem efeito limitado sobre dólar, juros e bolsa – Valor

SÃO PAULO  –  O dólar voltou a operar em alta nesta sexta-feira (5), seguindo o ajuste que se viu na cotação no exterior. A cotação até arriscou retomar o terreno negativo, logo após a divulgação dos dados de trabalho do mercado americano (payroll), mais fracos do que o esperado, mas não se sustentou. Às 13h25 horas, a cotação subia 0,08% para R$ 3,2358. Na mínima, tocada logo após a divulgação do payroll, chegou a R$ 3,2293. Já o dólar para fevereiro era negociado a R$ 3,2475, com alta de 0,05%.

Foram criadas 148 mil novas vagas de trabalho em dezembro, abaixo da estimativa, que era de 180 mil postos. A taxa de desemprego ficou em 4,1%, em linha com as expectativas.

“Não vejo motivo para o dólar continuar caindo intensamente”, diz o gerente de Tesouraria do Bank of China, Jayro Rezende. “A cotação não consegue superar os R$ 3,30, mas também não há motivo para cair muito além do nível atual.”

O especialista explica que, no início do ano, quem zerou posições aproveitou o tom positivo para recompor a exposição. “Mas agora boa parte do movimento já foi, está bom demais”, diz.

Juros

Os juros futuros tiveram um dia de ajuste, acompanhando o movimento geral dos mercados globais, após dias consecutivos de queda. 

Às 13h28, DI janeiro/2019 era negociado com taxa de 6,795%, ante 6,770% no ajuste de ontem. DI janeiro/2021 operava a 8,910%, de 8,830%. DI janeiro/2023 tinha taxa de 9,800%, ante 9,760%.

O movimento aconteceu de forma alinhada ao que se viu no câmbio. O dólar voltou a subir ante o real e também na comparação com outras divisas, numa pausa na busca por risco que definiu o comportamento dos mercados nesta semana.

Hoje, o dado que concentrou as atenções foi o payroll, que mostrou um resultado mais fraco do que o esperado. A reação dos ativos, no entanto, foi pontual, mostrando que não há uma mudança na leitura ainda benigna do quadro de atividade, a despeito do resultado.

O mercado também digeriu a afirmação da S&P ao Valor de que não tem impedimento para cortar o rating do Brasil. Analistas já trabalham a hipótese de que, se não vier a reforma da Previdência, prevista para fevereiro, é grande a chance da nota do país perder mais um degrau. 

Bolsa

O Ibovespa entra na segunda etapa do pregão de hoje ainda sem um ritmo forte, dividido entre a possibilidade de realização de lucros depois de nove pregões em alta mas, ao mesmo tempo, ainda estimulado pelo bom humor que predomina nos negócios aqui e no exterior.

Às 13h35, o Ibovespa registrava leve alta de 0,19%, aos 78.799 pontos.

Apesar da possibilidade de sustentar a correção até o fechamento, o índice se mantém no patamar histórico dos 78 mil pontos e continua com perspectivas de alta, com base nos fundamentos melhores da economia brasileira e o esperado crescimento mundial. O ambiente global está mais favorável aos negócios, o que estimula altas em várias praças do mundo, com o Ibovespa acompanhando o ritmo.

Hoje, no entanto, o ajuste de papéis que acumulam valorização relevante nos últimos dias, desde a entrada de 2018, limita ganhos para o mercado local. Entre as baixas, Localiza (-1,97%), Usiminas (-1,72%) e Ecorodovias (-1,32%) seguem em destaque. Já entre as maiores altas do horário estão BRF (3,21%), Copel (2,0%) e Cyrela (1,70%).

A publicação do payroll nesta manhã teve reflexo limitado sobre o índice, enquanto a bolsa brasileira acompanha a abertura dos índices acionários americanos para definir uma tendência no dia. Na leitura de analistas, o investidor aguarda por três altas de juros pela autoridade monetária nos Estados Unidos este ano, um movimento que já está precificado. “Temos visto um fluxo forte de estrangeiros para a bolsa que continua sustentando o ritmo para cima”, diz um operador.

“É momento de comprar bolsa, mas pequenos ajustes não estão descartados em meio a essa escalada”, afirma Ari Santos, gerente a mesa de operações da H. Commcor.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!