Dinheiro na poupança bate recorde – Jornal do Comércio

Depois de dois anos no vermelho, a aplicação financeira mais popular do País voltou a ficar no azul. Em 2017, a caderneta de poupança registrou R$ 17,1 bilhões em depósitos, já descontados todos os saques. A queda da inflação, o aumento da renda e os sucessivos cortes nos juros foram os responsáveis pela recuperação e por um novo recorde: o brasileiro guarda R$ 724,6 bilhões na aplicação. Esse é o maior volume registrado pelo Banco Central.

Os dados mostram uma recuperação. Em 2015, quando a crise econômica começou a se agravar, a poupança registrou uma saída de R$ 53,6 bilhões. No ano seguinte, quando houve o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e toda turbulência causada por isso no mercado financeiro, a aplicação perdeu R$ 40,7 bilhões, já descontado tudo o que entrou.

Apesar da retomada, a caderneta de poupança está longe de chegar perto do desempenho registrado em 2013. Naquele ano, a chamada captação líquida ultrapassou R$ 71 bilhões.

Agora, o cenário é bom para poupança. Com o aumento do emprego e da renda, sobra mais dinheiro para poupar. Nos últimos anos, o orçamento do brasileiro ficou menor por causa da inflação que chegou aos dois dígitos e devorou parte do dinheiro das famílias. Algumas passaram a sacar recursos para complementar a renda do mês. Diferentemente dos últimos anos, os juros estão em queda. Como os fundos de investimentos pagam menos retorno por causa disso, a caderneta volta a ser atraente.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!