Dólar fecha em leve alta, em linha com o exterior – Jornal do Comércio

Após ter operado volátil ao longo da sessão, o dólar à vista fechou em leve alta nesta segunda-feira, 8, em linha com o movimento da moeda americana no exterior. Com isso, a divisa quebrou a sequência de quatro quedas consecutivas registradas na primeira semana de janeiro, quando acumulou perda 2,47%. Profissionais do mercado divergiram sobre o impacto sobre os ativos da decisão do governo de adiar a discussão da chamada regra de ouro.

O dólar à vista fechou em alta de 0,14%, a R$ 3,2383. O giro foi de US$ 1,541 bilhão. Na mínima, chegou a R$ 3,2245 (-0,28%) e, na máxima, R$ 3,2447 (+0,34%).

Segundo José Raymundo Faria Júnior, diretor da Wagner Investimentos, no câmbio doméstico acabou prevalecendo o cenário externo, que exibiu um dólar mais forte frente a várias moedas, incluindo emergentes e ligadas a commodities. “Em um dia de poucas notícias, aqui e lá fora, o dólar tem dificuldades para romper a barreira dos R$ 3,22”, comentou. Segundo Faria Júnior, o fato de o governo ter adiado a discussão da regra de ouro não chegou a influenciar o mercado. “O que houve foi um ajuste externo.”

Já para Ricardo Gomes da Silva, diretor da Correparti, o mercado se estressou mais cedo com preocupações em relação à regra de ouro, e a notícia de que o governo adiou a discussão trouxe alívio. “O mercado não deu bola para essa discussão na quinta e na sexta-feira passadas, mas hoje (segunda) pela manhã acordou para o tema depois que o procurador que denunciou as pedaladas fiscais no governo da ex-presidente Dilma Rousseff falou sobre a regra de ouro”, disse.

Em entrevista ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, no fim de semana, o procurador do Ministério Público junto ao TCU, Julio Marcelo, afirmou que abrir mão da chamada regra de ouro é quebrar a responsabilidade fiscal e um retrocesso histórico para as finanças públicas do País.

Nesta segunda-feira, o governo recuou da intenção de mexer na norma fiscal que impede que o governo faça empréstimos para pagar gastos de custeio. Em entrevista coletiva nesta tarde, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, confirmou notícia antecipada pelo Broadcast de que o governo adiaria o debate sobre alterações na regra de ouro para depois da votação da reforma da Previdência. Segundo Meirelles, a ideia não é suspender a regra constitucional, mas criar mecanismos de ajustamento em caso de descumprimento da norma.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!