Dólar se firma em alta com ‘regra de ouro’ e exterior no radar – Jornal do Comércio

O dólar se firmou em leve alta, após oscilar entre margens estreitas nos primeiros negócios desta segunda-feira (8). O mercado local se alinha ao viés positivo da moeda americana no exterior em relação a divisas principais e grande parte das moedas ligadas a commodities.

Além disso, segundo o operador de uma corretora, estão no radar as negociações do governo com a Câmara dos Deputados para flexibilizar a regra que impede o endividamento para pagar despesas do dia a dia do governo – a chamada “regra de ouro”.

O ajuste ocorre ainda após o dólar ter acumulado queda de 2,47% no mercado à vista na semana passada. Na sexta-feira, dia 5, terminou aos R$ 3,2337, no menor patamar desde 28 de novembro de 2017 (R$ 3,2131).

Às 9h53min desta segunda, o dólar à vista subia 0,24%, aos R$ 3,2413. O dólar futuro de fevereiro avançava 0,34% no mesmo horário, aos R$ 3,2510.

Em entrevista neste domingo (7), o procurador que denunciou as pedaladas fiscais ainda no governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), Julio Marcelo, afirmou que abrir mão da chamada “regra de ouro” é quebrar a responsabilidade fiscal e um retrocesso histórico para as finanças públicas do País.

O procurador do MP junto ao TCU diz que não há espaço para aventura fiscal em ano eleitoral. Ele ataca a operação de socorro da Caixa com recursos do FGTS. Para ele, o governo pode estar reeditando a mesma fórmula usada na gestão da petista com o BNDES. “Esses R$ 15 bilhões autorizados são apenas a ponta do iceberg. Pode chegar a R$ 100 bilhões”, alertou.

Contudo, a possibilidade de ingressos de recursos estrangeiros está sendo monitorada e eventual queda ante o real não é descartada no dia.

Na Pesquisa Focus, do Banco Central, divulgada pela manhã, a projeção para a cotação da moeda americana no fim de 2018 seguiu em R$ 3,34. Há um mês, estava em R$ 3,30. O câmbio médio de 2018 foi de R$ 3,31 para R$ 3,32, ante R$ 3,29 de um mês antes.

No exterior, o dólar avançou na sexta-feira e segue forte nesta segunda-feira, reagindo ainda aos dados positivos no relatório de empregos – conhecido como payroll – divulgado pelo Departamento do Trabalho dos Estados Unidos na sexta-feira.

A economia americana criou 148 mil postos de trabalho em dezembro, abaixo dos 180 mil novos empregos esperados por analistas. No entanto, os investidores focaram em aspectos mais positivos do relatório. A taxa de desemprego permaneceu em 4,1%, no menor nível em 17 anos no terceiro mês seguido. Ao mesmo tempo os ganhos por hora trabalhada melhoram moderadamente durante em dezembro, e subiu 2,5% na comparação com o ano anterior.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!