Taxas futuras de juros sobem com dólar e cautela sobre regra fiscal – Jornal do Comércio

As taxas de juros operam em alta nesta segunda-feira (8) pressionadas pelo dólar forte e alguma cautela local. O mercado está digerindo a pesquisa Focus, que mostrou alta da projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2017, mas baixa para a estimativa para 2018. Já o dólar mostra viés de alta ante divisas principais e moedas emergentes e ligadas a commodities, incluindo o real.

Na sexta-feira, as taxas já fecharam em alta moderada, reagindo a ajuste após quedas recentes e diante do incômodo do investidor com o impacto da mudança em estudo da regra de ouro do Orçamento. Sobre esse assunto, o procurador que denunciou as pedaladas fiscais no governo da ex-presidente Dilma Rousseff, Julio Marcelo, afirmou no fim de semana que abrir mão da chamada regra de ouro é quebrar a responsabilidade fiscal e um retrocesso histórico para as finanças públicas do País.

A proposta de flexibilizar a regra que impede o endividamento para pagar despesas do dia a dia do governo está sendo costurada com a Câmara.

Às 10 horas, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 estava em 6,815%, de 6,795% no ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2020 a 8,02%, na máxima, de 7,99% no ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2021 subia a 8,93%, de 8,89% no ajuste de sexta-feira. Já o DI para janeiro de 2023 avançava a 9,82%, de 9,79% no ajuste de sexta-feira. No câmbio, o dólar à vista subia 0,17%, aos R$ 3,2393.

O dólar futuro de fevereiro estava em alta de 0,26%, aos R$ 3,2480. Em Nova Iorque, o dólar subia para 113,07 ienes, de 112,73 ienes na tarde de domingo; e o euro caía para US$ 1,1984, de US$ 1,2068 no fim da tarde de sexta-feira.

Nesta segunda, a pesquisa Focus mostrou que a mediana para o IPCA no ano passado foi de 2,78% para 2,79%. Já a projeção para o índice de 2018 passou de 3,96% para 3,95%. Na prática, as projeções de mercado divulgadas indicam que a expectativa é de que a inflação fique levemente abaixo do piso da meta, de 3,0%, em 2017.

O centro da meta para o ano passado e 2018 é de 4,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (inflação de 3,0% a 6,0%). Os economistas mantiveram suas projeções para a Selic para o fim de 2018 em 6,75%. A Selic está atualmente em 7,00% ao ano.

O mercado alterou suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 e 2018. A expectativa de alta para o PIB no ano passado passou de 1,00% para 1,01%. Para 2018, o mercado reduziu a previsão de alta do PIB de 2,70% para 2,69%.

Ao longo desta semana os investidores aguardam pela divulgação da inflação ao consumidor do Brasil, o IPCA, na quarta-feira, além das vendas no varejo de novembro, na terça, e pesquisa de serviços, na sexta-feira. No exterior, as atenções estão na inflação ao consumidor, o CPI, dos Estados Unidos (sexta-feira) e da China (terça).

Sobre o IPCA, caso seja confirmada uma inflação abaixo dos 3%, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, precisará escrever uma carta aberta ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para justificar o fato de o IPCA não ter ficado dentro da meta.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!