Inadimplência entre famílias gaúchas com renda até 10 salários mínimos cresce em dezembro – Jornal do Comércio

A inadimplência entre as famílias com renda até 10 salários mínimos cresceu no Rio Grande do Sul em dezembro de 2017, embora o endividamento no mês tenha se mantido estável em relação ao ano anterior. O resultado da Pesquisa de endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) realizada pela Fecomércio-RS indica que o atual momento da economia ainda contribui para o aumento da tomada de crédito.

No geral, o quadro de endividamento das famílias gaúchas no mês de dezembro ficou estável (70,0%) em relação ao mesmo mês de 2016 (70,7%). Os dados indicam que após dois meses de recuo na margem, o percentual de famílias em situação de inadimplência voltou a registrar forte aumento, ficando em patamar bastante elevado.

Na avaliação do presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, o cenário econômico atual ainda é adverso para muitas famílias. “No entanto, a perspectiva de crescimento econômico e geração de empregos em 2018 permite vislumbrar uma redução no percentual de famílias em situação de inadimplência”, pondera o dirigente, em nota.

A pesquisa de dezembro revela estabilidade no indicador que avalia a parcela da renda comprometida com dívidas. Em dezembro passado foi de 32,9% na média em 12 meses, e o tempo de comprometimento da dívida, também no período de 12 meses, permaneceu em 8,1 meses. O cartão de crédito continua com o maior peso na composição do endividamento dos gaúchos (74,6%), seguido por carnês (44,0%), crédito pessoal (16,3%) e financiamento de veículos (13,0%).

O percentual de gaúchos sem condições de honrar suas dívidas vencidas no prazo de 30 dias apresentou queda, saindo de 13,1% em dezembro/2016 para 9,5% em dezembro/2017. Mesmo tendo sido a quarta queda consecutiva na comparação interanual e, apesar de ter atingido o nível mais baixo do ano passado, seu patamar permaneceu acima do verificado em períodos anteriores.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!