Taxas futuras de juros passam a cair com enfraquecimento do dólar ante o real – Jornal do Comércio

Os juros futuros passaram a exibir viés de baixa na manhã desta terça-feira (9), após abertura do lado positivo, acompanhando o enfraquecimento do dólar ante o real, segundo um operador de renda fixa. A moeda norte-americana operava com sinais mistos, em leve alta à vista e ligeira queda no dólar fevereiro, refletindo ajustes ao fechamento anterior. Nessa segunda-feira (8), o dólar fevereiro terminou aos R$ 3,2510, bem acima do dólar à vista, aos R$ 3,2383.

Os juros futuros se ajustam em baixa antes do leilão de títulos do Tesouro, no fim da manhã. A oferta será de até 900 mil Notas do Tesouro Nacional – Série B (NTN-B), papéis indexados ao IPCA, divididas em dois grupos de vencimentos (11h30). Por enquanto, o mercado de juros deixa em segundo plano os resultados do IGP-DI e das vendas no varejo, diz um operador.

Às 9h49 desta terça, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 estava em 8,810%, igual ao ajuste de segunda-feira. O DI para janeiro de 2020 exibia 7,97%, ante 7,98% do ajuste anterior.

O vencimento para janeiro de 2021 marcava 8,84%, de 8,86%, enquanto o DI para janeiro de 2023 estava em 9,72%, de 9,74% no ajuste da véspera. No câmbio, o dólar à vista subia 0,06% neste mesmo horário, aos R$ 3,2404, ante máxima em R$ 3,2489 (+0,33%). O dólar futuro de fevereiro caía 0,03%, aos R$ 3,250, ante máxima aos R$ 3,2585 (+0,23%).

Mais cedo, o IBGE informou que as vendas do comércio varejista pelo conceito restrito subiram 0,70% em novembro ante outubro, na série com ajuste sazonal. O resultado superou a mediana das estimativas dos analistas consultados pelo Projeções Broadcast, calculada em +0,20%, e ficou dentro do intervalo das previsões, de queda de 0,60% a alta de 1,52%.

Na comparação com novembro de 2016, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 5,9% em novembro de 2017. Nesse confronto, as projeções iam de uma expansão de 1,10% a 6,50%, com mediana positiva de 3,70%. As vendas do varejo restrito acumularam crescimento de 1,9% no ano e elevação de 1,1% em 12 meses.

Já a Fundação Getulio Vargas divulgou que o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) registrou alta de 0,74% em dezembro, ante um aumento de 0,80% em novembro, dentro do intervalo das projeções do mercado financeiro, que estimavam um avanço de 0,69% a 0,95%, mas abaixo da mediana positiva de 0,81%, de acordo com as instituições ouvidas.

Com o resultado, o IGP-DI acumulou uma redução de 0,42% no ano de 2017, a menor desde 2009 (-1,43%) e dentro do intervalo das estimativas (-0,50% a -0,21%), porém uma queda maior que a mediana esperada (-0,35%).

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!