BC diz que ação e comunicação da política monetária reancoraram expectativas – Jornal do Comércio

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, dividiu a atuação da autoridade monetária com relação à inflação de 2017 em dois momentos e destacou a necessidade inicial de reancorar as expectativas para o IPCA.

“Ainda em 2016, fez-se necessário produzir uma quebra na dinâmica do processo inflacionário, em particular, reancorar as expectativas de inflação. Assim, a taxa Selic foi mantida, até outubro de 2016, em 14,25% a.a., patamar em que estava desde julho de 2015”, argumentou, em carta aberta ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Na avaliação de Goldfajn, a ação e a comunicação da política monetária teriam sido fundamentais para reancorar as expectativas, o que, segundo ele, é “elemento-chave” para o êxito do regime de metas para a inflação.

“Desvios da inflação corrente em relação à meta se transmitiam para as expectativas referentes a horizontes mais longos. Esse comportamento ficou claro no segundo semestre de 2015, quando mudanças nas expectativas para a inflação em 2015 e 2016 transmitiam-se não apenas para 2017, mas também afetavam as expectativas para a inflação em 2018, 2019 e 2020”, detalhou.

Já ao longo de 2016, defendeu Goldfajn, as mudanças na condução da política econômica e a postura firme da política monetária permitiram a ancoragem das expectativas, que convergiram ao longo do segundo semestre, para patamares compatíveis com as metas.

“À medida que o processo inflacionário dava sinais de que estava sendo debelado e a reancoragem das expectativas de inflação se consolidava, foram criadas as condições para o processo de flexibilização monetária”, acrescentou. “A política monetária entrou, então, no segundo período, marcado pelo início da queda da taxa Selic, em outubro de 2016, e pela continuidade desse movimento até o momento atual. Durante esse período, a taxa Selic diminuiu 7,25 ponto porcentual (p.p.), para 7,0% a.a.”, completou Goldfajn.

A carta aberta traz as justificativas do Banco Central para o fato de a inflação oficial de 2017, divulgada nesta quarta-feira, 10, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ter ficado abaixo de 3,0%, em 2,95%. O centro da meta de inflação perseguida pelo BC em 2017 era de 4,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (inflação entre 3,0% e 6,0%). Pelas regras do regime de metas, sempre que a inflação fugir do intervalo estabelecido, o presidente do BC precisa enviar uma carta aberta ao ministro da Fazenda – que é, tecnicamente, o presidente do Conselho Monetário Nacional (CMN), responsável pelo estabelecimento das metas.

No passado, o descumprimento havia ocorrido nos anos de 2001, 2002, 2003 e 2015. Em todos estes casos a inflação havia ficado acima do teto do intervalo da meta. Em 2017, porém, o problema foi uma inflação muito baixa, inferior ao piso.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!