IGP-DI fecha 2017 com queda de 0,42%, diz FGV – Jornal do Comércio

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) fechou 2017 com uma deflação (queda de preços) de 0,42%. No ano anterior, o indicador, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), havia acumulado inflação de 7,18%.

Considerando-se apenas o mês de dezembro de 2017, houve inflação de 0,74%, abaixo das taxas registradas em novembro do mesmo ano (0,80%) e em dezembro de 2016 (0,83%).

Os principais responsáveis pela deflação de 0,42% acumulada pelo IGP-DI em 2017 foram os preços no atacado, medidos pelo Índice de Preços ao Produtor, que acumularam queda de 2,52%. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-DI), que mede o varejo, acumulou inflação de 3,23%. Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) teve inflação de 4,25% em 2017.

Em dezembro, a conta de luz mais barata ajudou a frear a inflação ao consumidor registrada pelo IGP-DI. O IPC-DI teve um avanço de 0,21% no último mês do ano, após uma alta de 0,36% em novembro.

Segundo o levantamento da FGV, três das oito classes de despesa apresentaram taxas de variação menores. A maior contribuição para a desaceleração do IPC-DI partiu do grupo habitação, que passou de alta de 0,77% em novembro para uma queda de 0,33% em dezembro. Nessa classe de despesa, o item tarifa eletricidade residencial saiu de uma elevação de 3,98% para uma redução de 2,93%.

Os demais decréscimos ocorreram em comunicação (de 0,40% para -0,07%) e transportes (de 0,80% para 0,78%), com destaque para os itens mensalidade para TV por assinatura (de 3,87% para 0,45%) e gasolina (de 3,17% para 2,07%), respectivamente.

Na direção oposta, as taxas foram mais elevadas nos grupos alimentação (de -0,26% para 0,27%); saúde e cuidados pessoais (de 0,39% para 0,45%); vestuário (de 0,01% para 0,11%); despesas diversas (de 0,08% para 0,21%); e educação, leitura e recreação (de 0,33% para 0,37%).

O Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) avançou em seis das sete capitais pesquisadas na primeira quadrissemana de janeiro em relação à última leitura de dezembro, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). No geral, o IPC-S acelerou a alta de 0,21% para 0,31% entre os dois períodos.

Por região, o IPC-S apresentou acréscimo de preços em Salvador (-0,18% para -0,17%), Belo Horizonte (-0,09% para 0,07%), Recife (0,27% para 0,30%), Rio de Janeiro (0,49% para 0,61%), Porto Alegre (0,12% para 0,33%) e São Paulo (0,29% para 0,39%). A exceção foi Brasília, que arrefeceu de 0,25% para 0,18%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!