Inflação baixa contribui para aumento do rendimento da poupança – Jornal do Comércio

A inflação oficial de 2017, divulgada hoje (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que ficou em 2,95%, menor taxa desde 1998, contribuiu para o ganho da caderneta de poupança. De acordo com o Banco Central, o rendimento nominal da poupança acumulado no ano passado atingiu 6,8%.

O ganho real da poupança, descontada a inflação, ficou em 3,9%, o maior desde 2006, segundo o economista Fabio Bentes, chefe da Divisão Econômica da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). “Isso ajudou bastante o consumidor de modo geral, especialmente o de baixa renda. E para aquele que aplica seus poucos recursos na poupança, o ano de 2017 foi favorável. Gerou um ganho real de 3,9%”.

Segundo Bentes, é improvável que o resultado dos rendimentos da poupança se repita este ano e a aplicação deve fechar 2018 com ganho real entre 2% e 2,5%.

A professora dos MBAs da Fundação Getulio Vargas Myrian Lund destacou que há dois tipos de rendimentos de poupança: um para depósitos feitos até 3 de maio de 2012 e outro para aplicações a partir de 4 de maio do mesmo ano. No caso dos primeiros investimentos, que rendem 0,5% ao mês mais a Taxa Referencial, é vantajoso manter o dinheiro aplicado, segundo a planejadora financeira.

Os depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 são calculados com base na taxa básica de juros, a Selic, sempre que esta for igual ou menor que 8,5%. Em dezembro, e taxa foi definida em 7% ao ano, o menor nível da história.

Segundo Myrian, em 2018, as aplicações mais antigas na poupança deverão render 6,17%. Já os investimentos mais novos (após 4 de maio de 2012) devem ter rendimento entre 4,55% e 4,9%. Nos dois casos, o ganho será maior que a inflação, projetada em 4% para este ano.

“Se você quiser ganhar mais, vai ter que procurar um fundo multimercado ou fundo renda fixa. Mas isso só para quem é mais investidor porque, normalmente, exige um valor maior”, destacou a planejadora financeira da FGV.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!