IPCA acima do esperado pressiona Ibovespa – Valor

SÃO PAULO  –  Faltou fôlego para a bolsa e, pelo segundo dia consecutivo, investidores optaram por embolsar parte dos ganhos obtidos até aqui no mercado de ações. A alta dos juros dos Treasuries e o resultado do IPCA de dezembro, mais alto do que o esperado, serviram de argumento para uma onda vendedora que, segundo operadores, teve clara presença de investidores estrangeiros – justamente os que vinham se destacando na compra nos momentos de alta.

Às 14h, o Ibovespa caía 0,63% para 78.368 pontos. Na mínima, tocou 78.163 pontos. O volume financeiro, no entanto, mostra-se mais fraco do que nas últimas sessões, o que sugere que trata-se apenas de um ajuste pontual e não uma reversão de posições. 

Para o estrategista-chefe da XP Investimentos, Celson Plácido, o mercado reage nesta quarta-feira (10) em grande medida ao IPCA de dezembro, que subiu 0,44%, ante a média das projeções colhidas pelo Valor Data, de 0,31%. Número que enfraquece a expectativa de que a queda da Selic prossiga para além da reunião de fevereiro. “O mercado tinha dois eventos importantes neste começo de ano: a divulgação do IPCA e o julgamento do ex-presidente Lula pelo TRF-4”, diz. “Como a inflação veio acima do esperado, o mercado se ajusta.”

Apesar da correção, diz Plácido, a tendência da bolsa segue positiva, em grande parte porque o nível do juro, abaixo de 7%, ainda é muito favorável às empresas. “Não é essa discussão sobre o fim do ciclo em fevereiro ou em março que vai interromper esse movimento positivo”, diz. Ele observa que, mesmo que a Selic fique no nível atual, de 7%, a taxa estará bem abaixo do que foi a Selic média de 2017, de 9,84%. E isso ajudará a melhorar o nível de alavancagem financeira das empresas, num momento em que já há uma melhora da alavancagem operacional, graças ao crescimento econômico em curso. 

Diante disso, Plácido acredita que a bolsa caminha para romper os 80 mil pontos em breve. Isso pode ocorrer caso os mercados externos voltem a melhorar, em reação a algum indicador vindo da China ou dos Estados Unidos. Ou ainda caso Lula seja derrotado no recurso que moveu contra a condenação pelo juiz Sérgio Moro num placar unânime. “Se tiver unanimidade, o Ibovespa supera os 80 mil pontos”, prevê.

Entre as ações, chama a atenção o desempenho de papéis do setor elétrico. Cemig PN sobe 2,53% e Smiles ON avança 2%. Já a RaiaDrogasil ON cai 2,41%.

Dólar

O mercado de câmbio releva dificuldade para tomar uma direção mais clara nesta quarta. A despeito das perdas das emergentes e avanço dos juros americanos, o dólar opera bem próximo da estabilidade e se acomoda ligeiramente abaixo de R$ 3,25. Por volta das 13h40, a moeda americana era cotada a R$ 3,2416, com queda de 0,13%. Já o dólar para fevereiro era negociado no horário a R$ 3,250, com queda de 0,25%.

As atenções dos investidores ainda se voltam para o exterior neste começo de ano. Os sinais de melhora da atividade global, como os dados de inflação da China divulgados ontem (9) à noite, amparam a confiança no fluxo de capital para emergentes.

Por outro lado, sinais de desaceleração da oferta de liquidez global limitam o ânimo e induzem a correções em alguns ativos de risco. Desta vez, foi reportado que a China está considerando a possibilidade de reduzir a sua exposição aos títulos americanos, o que impulsionou os juros dos Treasuries. O movimento estende a alta da véspera, quando os yields americanos avançaram após a decisão do Banco do Japão (BoJ) de diminuir as compras de títulos dos EUA.

Juros

O comportamento dos juros futuros hoje reflete uma postura mais cautelosa dos investidores para o ciclo de corte da Selic. O aumento da inflação no final do ano passado surpreendeu os participantes do mercado. E quem esperava uma justificativa para apostar numa queda mais agressiva do juro básico volta a assumir uma posição defensiva.

Os trechos mais curtos e intermediários da curva de juros são os mais afetados pela reação aos dados de inflação. A taxa projetada pelo contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019, por exemplo, subia a 6,870% por volta das 13h45, ante 6,810% no fechamento passado.

Conforme divulgado, o IPCA acelerou para 0,44% em dezembro, de 0,28% em novembro. A taxa ficou bem acima da média de 0,31% estimada pelo mercado. O resultado do IPCA “decepcionou” quem esperava uma continuidade de números positivos de inflação, que marcaram o ano de 2017, diz o trader de renda fixa Matheus Gallina, da Quantitas.

A resposta imediata nos juros futuros reflete uma retirada de apostas de queda da Selic, principalmente para a reunião do Copom em março. A probabilidade de corte da Selic no mês em questão estava em cerca de 50% até ontem, sendo reduzido hoje a 20%. O impacto também se observa nas apostas para fevereiro, embora estas já estejam mais consolidadas para corte de 0,25 ponto. “Ainda se mantém a aposta de queda de 0,25 ponto da Selic, mas foi reduzida a chance de atuação um pouco mais agressiva, de 0,50 ponto”, diz Gallina.

No horário acima, o DI para janeiro de 2020 subia a 8,080%, ante 8,000% no fechamento passado, e o DI janeiro para 2021 avançava 0,05 ponto para 8,940%.

 

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!