IPCA fecha 2017 em 2,95%, a menor alta do indicador em quase 20 anos – Valor

RIO  –  (Atualizada às 9h58) Num ano de comportamento atipicamente benigno dos preços dos alimentos, a inflação oficial brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi de 2,95% em 2017, abaixo dos 6,29% registrados no ano anterior, informou na manhã desta quarta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se da menor alta de preços em quase 20 anos, desde 1998 (1,65%).

A inflação de 2017 ficou acima da média de 2,80% estimada por 25 instituições financeiras e consultorias consultados pelo Valor Data.

Em dezembro, o IPCA acelerou para 0,44%, de 0,28% em novembro. Nesse caso, a taxa ficou bastante acima da média de 0,31% estimada pelo mercado. O intervalo das estimativas ia de 0,25% a 0,36% para o mês.

Com o resultado, a inflação ficou abaixo do piso da meta do Banco Central, de 3% em 2017 — o centro da meta é de 4,5%, com margem de 1,5 ponto percentual, para mais ou para menos. É a quinta vez em que a meta é descumprida desde que o sistema de metas de inflação foi criado, em 1999. Pela primeira vez, foi descumprida para baixo.

O descumprimento num determinado ano obriga o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, a escrever uma carta ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, explicando os motivos e apontando as medidas adotadas para fazer a variação de preços convergir novamente para o centro da meta.

Em dezembro, a alta do IPCA foi influenciada principalmente pela aceleração na taxa dos grupos Alimentação e bebidas (de -0,38% em novembro para 0,54% em dezembro) e Transportes (de 0,52% para 1,23%).

O IPCA mede a inflação para as famílias com rendimentos mensais entre 1 e 40 salários mínimos, que vivem nas regiões metropolitanas de São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Recife, Salvador, Fortaleza, Vitória, Belém, Brasília, e nos municípios de Goiânia e Campo Grande.

Preços administrados

Os preços administrados — que incluem contas de luz, combustíveis, gás de botijão, transportes, plano de saúde entre outros — avançaram 7,99% no ano passado, desempenho acima da inflação apurada pelo IPCA no período.

De acordo com o IBGE, o maior impacto veio dos planos de saúde, que ficaram 13,53% mais caros em 2017, com efeito de 0,48 ponto percentual sobre a formação do índice em 2017. Foi o segundo ano seguido em que os planos lideraram o impacto.

Os preços da gasolina, por sua vez, avançaram 10,32% em 2017, com impacto de 0,41 ponto no índice. O combustível ficou mais caro em meio à nova política de preços da Petrobras, que prevê reajuste quase diário de preços nas refinarias acompanhando o mercado internacional.

Essa política de reajuste nas refinarias também influenciou o valor do gás de botijão, que ficou 16% mais alto em 2017, contribuindo com 0,19 ponto para a elevação de preços.

Na sequência aparece a energia elétrica residencial, que fechou o ano com alta acumulada de 10,35%, com impacto de 0,35 ponto percentual sobre a formação do índice no ano. O avanço é resultado do patamar mais alto das bandeiras tarifárias de energia no ano passado.

Regiões

Sete dos 13 locais pesquisados pelo IBGE para compor IPCA encerraram o ano passado com inflação abaixo de 3%, o piso da meta estipulada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) — o centro da meta é de 4,5%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

Os maiores índices foram registrados em Goiânia e Brasília, ambas com alta de 3,76%. Em Goiânia, o destaque no ano foi a energia elétrica, que subiu 30,54%, e a gasolina, com alta de 15,28%. Já em Brasília, os destaques foram a gasolina e o ônibus urbano, com elevação de 17,86% e 25%, respectivamente.

O índice mais baixo foi o de Belém (1,14%), onde as quedas do feijão-carioca (-46,21%) e do açúcar cristal (-35,62%) ajudaram a conter a taxa.

Em São Paulo, o indicador fechou 2017 acima da média nacional, em 3,63%. No Rio de Janeiro, o IPCA acumulou alta de 3,03%, conforme os dados do IBGE.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!