2017 termina com 60,2 milhões de brasileiros com restrição ao crédito – Valor

SÃO PAULO  –  O ano de 2017 encerrou com 60,2 milhões de brasileiros com alguma conta em atraso e com o CPF restrito para contratar crédito ou fazer compras parceladas, segundo dados do indicador do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) divulgados nesta quinta-feira em relatório.

O número representa 39,6% da população com idade entre 18 e 95 anos, diz o comunicado. Em comparação com o mesmo mês em 2016, houve um aumento de 1,27% na quantidade de inadimplentes em dezembro. Na comparação mensal, com novembro, a variação foi de 0,63%.

Idade

A maior frequência dos chamados “negativados” encontra-se entre os 30 e 39 anos de idade, diz o relatório: 50% das pessoas nessa faixa etária tinham o nome inscrito em alguma lista de devedores, somando um total de 17,08 milhões, em dezembro.

Entre os que têm 40 e 49 anos, 48% estavam com acesso restrito ao crédito. Entre os que tinham 25 e 29, eram 46%. Entre os mais jovens, com idade de 18 a 24 anos, a proporção cai para 20% — em número absoluto, 4,84 milhões. Na população idosa, considerando-se a faixa etária entre 65 a 84 anos, a proporção é de 30%.

Região

A maior quantidade de consumidores com contas em atraso, em termos absolutos, econtra-se na região Sudeste: 24,9 milhões — número que responde por 38% do total de consumidores que residem no estado. A segunda região com maior número absoluto de devedores é o Nordeste, que conta com 16,7 milhões, ou 41% da população. Em seguida, aparece o Sul, com 8,2 milhões de inadimplentes (37% da população adulta).

Em termos proporcionais, destaca-se o Norte, que, com 5,4 milhões de devedores, ou 46% de sua população adulta incluída nas listas de negativados, o maior percentual entre as regiões pesquisadas. O Centro-Oeste, por sua vez, aparece com um total de 5,0 milhões de inadimplentes, ou 43% da população.

Setor

Entre os setores de atuação dos credores, o único que apresentou alta foi o setor de comunicação, com variação de 6,19%. O recuo mais acentuado ocorreu no comércio: o número de pendências com o segmento caiu 8,98%, seguido pelos setores de água e luz (-4,32%). O número de dívidas com bancos ficou praticamente estável, com variação de 0,13%, dizem CNDL e SPC Brasil.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!