Convergência entre Selic e TLP exige Bndes mais ágil e flexível, diz diretor – Jornal do Comércio

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) anunciou nesta quinta-feira (11), a retirada de parte das restrições impostas no início de 2017, ainda na gestão de Maria Silvia Bastos Marques, por causa da convergência entre a taxa básica de juros (a Selic, hoje em 7,0%) e os juros da instituição de fomento. A nova TLP foi fixada, em janeiro, em nível próximo aos 6,75% da TJLP, taxa de juros que valeu até dezembro.

Com a aproximação entre os juros cobrados pelo Bndes e as taxas de mercado, o banco de fomento precisa ser mais simples, ágil e flexível, disse o diretor de Planejamento da instituição, Carlos Da Costa. “Com convergência de taxas, para que a gente continue fazendo a diferença, a gente precisa ser mais simples, mais ágil e flexibilizar algumas coisas”, afirmou o diretor.

Segundo Costa, as restrições foram impostas, na gestão de Maria Silvia, num cenário de Selic a 14% e TJLP a 7%. Naquele cenário, era preciso ser mais restritivo porque os incentivos eram maiores. “Hoje, essa diferença é inexistente. Estamos estimulando mais o uso (do crédito do Bndes), no entanto, ainda com as prioridades”, afirmou Costa.

O diretor destacou também que as restrições colocadas na política operacional anterior “foram necessárias” porque não existia “uma convicção sobre as novas prioridades do banco”. Agora, o Bndes ampliará a avaliação sobre os projetos financiados.

Nos ajustes nas políticas operacionais anunciadas nesta quinta-feira, o Bndes ampliou os limites máximos de participação no valor dos projetos financiados – no caso da Finame, linha de crédito para bens de capital, o limite será 100%, no caso das médias, pequenas e microempresas. Também ampliou a participação no financiamento aos projetos de infraestrutura.

Outra restrição que caiu foi a trava na distribuição de dividendos. Pela regra, imposta na política operacional anterior, toda empresa que tomasse crédito com participação superior de 50% da antiga TJLP no valor do projeto tinha que se comprometer a distribuir como dividendos no máximo 25% do lucro. Agora, a trava ficou mantida apenas para as empresas que tomam crédito para capital de giro na modalidade direta.

Costa explicou ainda que os ajustes na política operacional anunciados nesta quinta-feira são transitórios e emergenciais – por causa da equiparação dos juros do banco de fomento com os de mercado. Um trabalho de planejamento estratégico, para o qual foi contratada a consultoria Roland Berger, será apresentado em fevereiro ou março. Depois disso, novas mudanças nas regras de crédito e nos produtos do Bndes serão anunciadas.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!