Dólar mostra sinais mistos ante real com IGP-M, China e Nafta no radar – Jornal do Comércio

Com a agenda interna quase vazia e uma liquidez ainda muito fraca no mercado cambial, o dólar opera com sinais mistos desde a abertura dos negócios. Tem viés de baixa ante o real no mercado à vista em meio à desaceleração da alta do dólar futuro de fevereiro, disse o gerente de mesa de derivativos de uma gestora de recursos.

Segundo a fonte, a prévia do IGP-M forte e a alta da produção industrial em São Paulo de 0,7% em novembro ante outubro, acima da média do País, refletem a melhora da economia local e beneficiaram o real com consequente queda do dólar à vista.

Além disso, segundo o mesmo gerente, a previsão de crescimento do PIB da China em 2017 de 6,9%, acima do esperado, ajuda a amparar o ganho das commodities, o que também favorece algumas moedas de países exportadores de matérias-primas, como o real e o dólar australiano.

Já o viés de alta do dólar futuro está atrelado ao dólar mais forte ante moedas principais, após a China ter negado que estaria considerando a possibilidade de reduzir ou interromper suas compras de Treasuries. Além disso, há cautela com especulações de que o presidente Donald Trump vai anunciar a saída americana do Nafta (acordo de livre comércio entre EUA, Canadá e México).

Às 9h51min, o dólar fevereiro rondava a estabilidade, aos R$ 3,2375, ante máxima aos R$ 3,2430 (+0,17%), puxando o dólar à vista para uma mínima aos R$ 3,2292 (-0,19%).

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!