Fluxo total de veículos avança 1,9% em 2017 – Jornal do Comércio

O fluxo total de veículos nas estradas pedagiadas do Brasil avançou 1,9% em 2017 na comparação com 2016, de acordo com o índice produzido pela Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) em conjunto com a Tendências Consultoria Integrada, que foi divulgado ontem. Considerando apenas o mês de dezembro, o indicador avançou 0,6% ante novembro, considerando os dados dessazonalizados.

Levando em conta o tipo de veículo, os índices de fluxo pedagiado de veículos leves subiu 0,7% em dezembro ante novembro. Já os pesados registraram crescimento de 2,5% no mesmo período de comparação, ambos dessazonalizados. No acumulado do ano, o fluxo de veículos leves teve expansão de 2,2%, e os pesados subiram 1,1%.

O analista da Tendências Thiago Xavier explica que o crescimento do índice total e de suas aberturas em 2017 evidencia o processo de gradual retomada da atividade econômica ao longo do último ano. Em 2016, por causa da recessão, o índice total registrou queda de 3,6%, com os leves caindo 2,8%, e os pesados, 6%. “O ritmo de aumento dos índices de fluxo é consistente com a velocidade de retomada da atividade econômica apresentada pelos principais indicadores nacionais”, afirma Xavier no relatório apresentando os números.

Para 2018, a tendência é que a economia continue se recuperando, avalia o economista da consultoria. Com isso, o fluxo de veículos pelas estradas deve continuar a “trajetória positiva e acumular ganhos adicionais neste ano”, conclui Xavier.

Em 2017, o fluxo de veículos leves (2,2%) cresceu mais que os pesados (1,1%) por conta do processo de melhora da situação financeira das famílias. “O crescimento da população ocupada e dos rendimentos, a relativa melhora no mercado de crédito especialmente à pessoa física, em um quadro inflacionário benigno, influenciou no aumento do poder de compra das famílias no ano anterior.”

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!