Safra de 2018 pode ser segunda melhor da história, diz IBGE – Jornal do Comércio

A safra de 2018 não deve alcançar o volume recorde atingido em 2017 mas, se confirmada a estimativa de uma produção agrícola de 224,3 milhões de grãos este ano, o resultado será o segundo melhor da história, ressaltou Carlos Alfredo Guedes, analista da Coordenação de Agropecuária do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira.

“Acho difícil chegar nos patamares de 2017, mas a gente já mostra melhoria das condições climáticas. Neste ano, a gente já teve atraso no plantio da soja e que pode ter um atraso no plantio de milho de segunda safra, ai já pega um período mais seco”, lembrou Guedes.

O terceiro Prognóstico da Produção Agrícola prevê um volume 6,8% menor que o total obtido na safra colhida em 2017. O declínio é puxado por reduções na produção de milho (-15,0 milhões de toneladas) e de soja (-2,7 milhões de toneladas). Mas a safra de 112,3 milhões de toneladas esperada para a soja também seria a segunda maior já colhida no País.

“A safra de soja seria a segunda melhor da história, a safra total também. A safra de soja já está bem próxima do patamar de 2017”, ressaltou o pesquisador do IBGE.

Entre os cinco produtos de maior importância para a próxima safra, três devem apresentar variações negativas na produção em relação a 2017: arroz em casca (-5,9%), milho 1ª safra (-14,4%) e soja em grão (-2,4%). As variações positivas até o momento são algodão herbáceo em caroço (4,7%) e feijão 1ª safra (5,0%).

A produção de soja deve somar 112,3 milhões de toneladas, um acréscimo de 3,8% em relação ao prognóstico anterior, mas redução de 2,4% em relação à safra de 2017. A área a ser plantada é de 34,5 milhões de hectares, aumento de 1,2% em relação ao previsto no mês anterior e crescimento de 1,7% em relação a 2017. O rendimento médio está 2,6% maior que o revisto no segundo prognóstico, mas ainda é 4,2% mais baixo que o de 2017.

A produção nacional de milho deve totalizar 84,5 milhões de toneladas em 2018, uma queda de 15,1% em relação à safra de 2017. O País deve colher menos 4,4 milhões de toneladas de milho 1ª safra e 10,6 milhões de toneladas de milho 2ª safra.

“Tem bastante milho estocado, não tem risco de desabastecimento”, garantiu Guedes.

A 2ª safra do grão deve apresentar o maior volume colhido, com aproximadamente 69,2% da produção total, o equivalente a 57,9 milhões de toneladas, um decréscimo de 15,4% em relação ao ano anterior.

O milho 1ª safra deve somar 26,6 milhões de toneladas, um recuo de 14,4% em relação a 2017, mas 3,1% a mais que o esperado na estimativa anterior. O Rio Grande do Sul aumentou sua expectativa de produção ante o mês anterior em 11,6%, passando de 4,4 milhões de toneladas para 4,9 milhões de toneladas.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!