Salário-mínimo fica com reajuste abaixo da inflação – Jornal do Comércio

O reajuste do salário-mínimo ficou abaixo da inflação de 2017, divulgada ontem pelo IBGE. O cálculo é feito com base no INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que encerrou o ano acumulado em 2,07%, resultado bem menor que os 6,58% de 2016. O governo, no entanto, utilizou o percentual de 1,81% para calcular o reajuste, que entrou em vigor em 1 de janeiro.

Caso fosse corrigido pela inflação observada, o salário-mínimo teria subido de R$ 937,00 para R$ 956,00, em vez dos R$ 954,00 válidos atualmente. Com a diferença, o governo prevê economizar R$ 3,4 bilhões.

Essa é a menor correção aplicada ao salário-mínimo desde 1995, primeiro ano após a criação do real. Por lei, esse valor é corrigido levando em conta a inflação no ano anterior e o PIB de dois anos anteriores.

No caso de 2018, o PIB não é levado em conta, pois em 2016 a economia ficou no negativo, com uma retração de 3,5%. A legislação expira em 2019.

Além de definir o piso do mercado formal, o salário-mínimo também é referência para benefícios, como aposentadorias e seguro-desemprego. Para os beneficiários do INSS que recebem acima do piso, o reajuste foi de 1,88% (não houve desconto).

Os 2,07% anunciados pelo IBGE são a menor taxa do INPC desde a implantação do Plano Real em 1994. O INPC é usado para reajustar aposentadorias de quem ganha acima do salário-mínimo. Em dezembro, a variação do INPC foi de 0,26%, ficando 0,08 ponto percentual acima do 0,18% de novembro.

Ao fechar 2017 em 2,07%, o INPC, que mede a variação das famílias com renda entre um e cinco salários, termina o ano com variação acumulada de 0,88 ponto percentual, abaixo da alta anual do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que fechou o ano passado em 2,95%.

Os alimentos tiveram variação de -2,70%, influenciando a retração da taxa relativa ao INPC, enquanto os não alimentícios subiram 4,25%. Em 2016, os alimentos apresentaram alta de 9,15% e os não alimentícios, de 5,44%.

Quanto aos índices regionais, o maior foi o de Curitiba (3,24%), tendo em vista a alta de 20,93% na energia elétrica e de 20,40% nos ônibus urbanos. Já o índice mais baixo foi o de Belém (0,74%). Em Porto Alegre, o INPC fechou 2017 com alta de 2,0%.

O INPC tem a mesma metodologia do IPCA, é calculado pelo IBGE desde 1979, se refere a famílias com rendimento monetário de um a cinco salários-mínimos e abrange 10 regiões metropolitanas do País, além de Goiânia, Campo Grande e de Brasília.

 

A inflação sentida pela população idosa acelerou de uma alta de 0,68% no terceiro trimestre para um avanço de 1,18% no quarto trimestre do ano passado, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) ontem. O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que mede a variação da cesta de consumo de famílias majoritariamente compostas por indivíduos com mais de 60 anos de idade, acumulou alta de 3,80% no ano de 2017.

Com o resultado, a variação de preços percebida pela terceira idade ficou acima da taxa de 3,23% acumulada em 2017 pelo Índice de Preços ao Consumidor – Brasil (IPC-BR), que apura a inflação média percebida pelas famílias com renda mensal entre um e 33 salários-mínimos.

Na passagem do terceiro trimestre para o quarto trimestre, três das oito classes de despesas tiveram taxas de variação mais elevadas. A principal contribuição partiu do grupo alimentação, que passou de uma queda de 2,19% para um aumento de 0,45%, sob influência de itens como hortaliças e legumes, que saiu de um recuo de 16,26% para um avanço de 7,60%.

Os demais aumentos ocorreram em saúde e cuidados pessoais (de 1,21% para 1,47%) e habitação (de 1,08% para 1,21%), com impacto dos itens medicamentos em geral (de -0,23% para 0,12%) e gás de botijão (de 2,11% para 6,44%), respectivamente.

Na direção oposta, as taxas foram mais baixas nos grupos transportes (de 3,14% para 2,51%), vestuário (de 0,62% para -0,07%), educação, leitura e recreação (de 1,42% para 1,11%), comunicação (de 0,40% para 0,20%) e despesas diversas (de 0,74% para 0,65%). Os destaques foram os itens gasolina (de 11,98% para 5,28%), roupas (de 0,82% para 0,15%), passagem aérea (de 16,62% para -0,63%), tarifa de telefone residencial (de -0,25% para -2,75%) e alimentos para animais domésticos (de 1,68% para 0,49%).

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!