TRF-4 nega recurso da OAB-RS e mantém aumento da luz da CEEE – Jornal do Comércio

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) negou pedido de liminar da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Sul (OAB-RS) para suspender o reajuste da conta de luz dos clientes da CEEE que foi, em média, de 30,62%. O aumento entrou em vigor em 21 de dezembro passado. Consumidores residenciais já estão pagando a conta com alta de 29,29%.

A OAB-RS ingressou no mesmo dia em que começou a vigorar o aumento na Justiça Federal contra a estatal e Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para suspender o reajuste. A ordem sustenta que não houve transparência nos critérios utilizados no cálculo, que aumentou a tarifa em 30,62%. também alega que razões apresentadas pela Aneel na ação não justificariam metade do percentual.

No último dia 5, a Justiça Federal da Capital negou o pedido da entidade feito em liminar. O TRF-4 informou que a decisão considerou que o Judiciário “não tem legitimidade para substituir a Administração Pública em decisões técnicas, que envolvem múltiplos e complexos fatores”.

A OAB-RS ingressou com agravo de instrumento para tentar em nova investida reverter a decisão. A relatora do caso no tribunal, desembargadora federal Vânia Hack de Almeida, manteve o entendimento do primeiro grau. Para a magistrada, não ficou comprovada a alegada ausência de transparência no processo de cálculo.

“A eventual concessão de tutela de urgência poderá resultar em prejuízo aos próprios consumidores, dada a possibilidade de quebra do equilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão e, em consequência, de comprometimento da entrega à contento de um serviço que é vital para a população”, concluiu, diz nota do TRF-4. A OAB-RS informou, por nota, que vaio continuar brigando na Justiça para suspender o aumento.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!