Após dois anos de queda, atividade no comércio cresce 1,1% – Jornal do Comércio

O índice que mede o movimento dos consumidores nas lojas do País fechou 2017 com alta de 1,10%, depois de dois anos consecutivos de queda, de acordo com a Serasa Experian. Em 2016 e 2015, o indicador de atividade do comércio cedeu 6,6% e 1,3%, respectivamente, “por causa da profunda e prolongada recessão econômica que se instalou no Brasil a partir da segunda metade de 2014”, divulgou a Serasa em nota nesta quinta-feira.

Dentre os fatores que contribuíram para a retomada econômica, a Serasa cita a inflação baixa, a contínua retração na taxa de juros e o processo de desalavancagem do endividamento das famílias.

Além disso, acrescenta, o ingresso dos recursos das contas inativas do FGTS na economia e a recuperação da massa real de rendimentos permitiram que as vendas do varejo revertessem a queda acumulada em 2015/2016.

De acordo com a Serasa, o destaque do varejo no ano passado foi o segmento de supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas, que registrou crescimento de 1,2%. Em contrapartida, a categoria de material de construção apresentou declínio de 14,3% em 2017 em relação a 2016.

A segunda maior queda, de 12,2%, foi observada no movimento de consumidores nas lojas de tecidos, vestuário, calçados e acessórios.

Ainda houve retração, de 9,5%, no segmento de combustíveis e lubrificantes; recuo de 7,5% em móveis, eletroeletrônicos e informática e variação negativa de 7,5% nas lojas de veículos, motos e peças.

O Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio é construído, exclusivamente, pelo volume de consultas mensais realizadas por estabelecimentos comerciais à base de dados da Serasa Experian. As consultas (nas formas de taxas de crescimentos) são tratadas estatisticamente pelo método das médias aparadas com corte de 20% nas extremidades superiores e inferiores. Com as taxas de crescimento tratadas e ponderadas pelo volume de consultas de cada empresa comercial é construída a série do indicador. A amostra é composta de cerca de seis mil empresas comerciais e o indicador, com início em janeiro de 2000, é segmentado em seis ramos de atividade comercial.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!