Debate sobre regra de ouro não foi fator relevante na decisão da S&P, afirma Henrique Meirelles – Jornal do Comércio

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta sexta-feira (12) em entrevista coletiva, que a discussão sobre mudanças na regra de ouro – a determinação de que o governo não possa emitir dívida para pagar despesas correntes – não foi um fator relevante para o rebaixamento da nota de risco do Brasil pela agência Standard & Poor’s (S&P).

“Deixamos claro que não há nenhuma intenção de relaxamento em relação ao controle fiscal. O que discutimos é uma atualização da regra de ouro, nos termos que já seguimos no teto de gastos, com adoção de medidas de autocorreção.”

A diretora-executiva de ratings soberanos da S&P Global Ratings, Lisa Schineller, disse mais cedo, em coletiva de imprensa para explicar o rebaixamento da nota de crédito do Brasil, que a questão da regra de ouro foi tema de pressão em debates no campo fiscal e avaliou que existe uma incapacidade de atacar restrições no orçamento da União.

Na noite de quinta-feira (11) a S&P rebaixou o rating do Brasil de BB para BB-. Já a perspectiva da nota do País foi de negativa para estável. Em sua decisão, a S&P citou o atraso nas reformas e a incerteza política.

Meirelles afirmou que a mudança na tributação de fundos é importante para o ajuste fiscal. “Não havia dependência exclusiva à medida de tributação de fundos. O importante é que isso seja aprovado”, disse, em reposta a uma pergunta sobre o impacto da não aprovação para o Orçamento de 2018. “Se for aprovado agora, terá efeito em 2019, o que é muito importante”, acrescentou.

Ao abordar a necessidade de um ajuste do Orçamento de 2018, em função da não aprovação dessa tributação, Meirelles afirmou que o ajuste de curto prazo “é uma questão em andamento”. “Não é algo estático. Há vários fatores. Por exemplo, o País está crescendo mais que o esperado por muitos. O crescimento da receita tributária está sendo maior”, afirmou. “Isso tudo vai influenciar o ano de 2018, com certeza. É uma reavaliação constante que se faz pare verificar se medida terá que ser compensada ou se ganho de arrecadação é suficiente para compensar.”

Meirelles reforçou ainda que, “quanto mais estável, mais sólida a situação fiscal, melhor”. O ministro voltou a dizer que tem certeza de que a reforma da Previdência será aprovada e afirmou que a discussão sobre “controles das âncoras fiscais é importante e bastante relevante”. “Vamos fazer com que mecanismos de controle sejam os mais eficazes possíveis”, acrescentou.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!